O advogado Rogério Buratti afirmou na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos que a empresa Gtech ofereceu até R$ 16 milhões a ele para serem entregues ao PT durante as eleições de 2002.

O dinheiro seria moeda de troca para a renovação do contrato com a Caixa Econômica Federal (CEF), regulamentação dos jogos no país e cargos na CEF para funcionários da Gtech. De acordo com Buratti, a quantia oferecida ao PT variava de R$ 500 mil a R$ 16 milhões, dependendo do que fosse cumprido.

Buratti é acusado pelo ex-diretor Marcelo Rovai e o ex-presidente da Gtech Antônio Carlos Lino da Rocha de ter sido indicado pelo ex-assessor da Casa Civil, Waldomiro Diniz, para influenciar na renovação do contrato da Gtech com a Caixa. Ambos já afirmaram na CPI dos Bingos que a empresa foi "vítima de extorsão".