O Supremo Tribunal Federal (STF) não julgará as ações penais contra o juiz federal João Carlos da Rocha Mattos, indiciado na operação Anaconda, da Polícia Federal. Ele responde a processos por formação de quadrilha, peculato e abuso de poder. O pedido para que o STF analisasse o caso foi considerado improcedente nesta quinta-feira (13), por unanimidade.

O motivo alegado pela defesa de Mattos era que os magistrados do órgão especial do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) responsáveis pelo processo, teriam antecipado seus posicionamentos sobre o caso e, portanto, não seriam mais imparciais. O caso passaria, então, a ser de competência do STF. A defesa ajuizou uma Reclamação no Supremo, negada pelo relator, ministro Carlos Ayres Britto.