São Paulo – Com a prisão de Ronaldo Dias, de 24, conhecido como Chocolate, a Polícia Civil considera esclarecido o assassinato do juiz-corregedor de Presidente Prudente, Antonio José Machado Dias, ocorrido em 14 de março. Segundo o diretor do Deic (Departamento de Investigações Sobre o Crime Organizado), Godofredo Bittencourt, Chocolate admitiu, durante depoimento, que a ordem para o assassinato partiu de cinco líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), entre eles Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, e Júlio César Guedes de Moraes, o Julinho Carambola, que estão presos. A polícia chegou até Chocolate, que já tinha um mandado de prisão decretado pela Justiça, após localizar sua mulher, em uma casa em Santos, litoral sul de São Paulo.