São Paulo  – Os ministros José Dirceu (Casa Civil) e Antonio Palocci (Fazenda) transmitiram a 1.500 petistas reunidos na Conferência Nacional de Estratégia Eleitoral do partido os argumentos que o PT deve usar no palanque eleitoral da campanha para prefeitos este ano.

Dirceu disse aos petistas que a estratégia do PT vai além dos quatro anos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sugerindo que o PT deve trabalhar para reeleger Lula em 2006, usando a atual eleição para prefeito para fazer a base eleitoral necessária para a reeleição do presidente.

“Não somos maioria no país. Conquistamos a presidência, três governadores e 13 senadores em 2002, mas precisamos de alianças mais sólidas que vão muito além da esquerda. Isso implica em executarmos agora apenas um programa mínimo”, disse José Dirceu.

Por isso, a ótica dos ministros do governo Lula presentes ao encontro é transmitir aos petistas argumentos na defesa do governo Lula, a serem alcançados durante a atual campanha eleitoral. Nesse contexto, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, passou aos petistas dados que mostram que a crise não é tão feia como apregoa a oposição a Lula.

O ministro disse aos petistas também que o desemprego não está tão grande como a imprensa diz. Palocci afirmou que o que está acontecendo é uma inversão na retomada do crescimento. Para ele, o que está aumentando é a procura por emprego.

Normal

No encontro, o presidente nacional do PT, José Genoino, negou ontem que o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, tenha sido criticado ou duramente questionado durante a participação na Conferência Nacional de Estratégia Eleitoral do partido, conforme informaram alguns dos participantes, na saída do encontro. “Não houve crítica, mas perguntas, e o ministro foi seguro e convincente”, afirmou, indicando que o processo de indagação é “natural” dentro dos debates petistas.

Segundo Genoino, os questionamentos foram mais concentrados no reajuste que o governo concedeu ao salário mínimo.