A polícia prendeu em flagrante um casal que se passava por pais de santo para aplicar golpes na zona sul de São Paulo. Segundo as vítimas, Rosana Lira Gaieth, 28, e Ricardo Michel, 35, prometiam aos clientes que eles ganhariam na Mega-Sena e teriam uma “vida tranquila”.

De acordo com a polícia, ela e o marido teriam aplicado um golpe de R$ 15 mil em um casal abordado há cerca de um mês na rua. A estudante e o administrador foram convencidos de que o dinheiro “investido”, em parcelas de até R$ 3.000, traria um retorno muito melhor a eles.

As vítimas desconfiaram do golpe e pediram a devolução do dinheiro, mas Michel se negou e disse que era policial. Com o suspeito, a polícia encontrou um distintivo da Polícia Civil falsificado.

Na casa onde a dupla morava, próximo à estação Saúde do metrô, havia uma placa oferecendo os serviços espirituais. “Eles deram banhos de pipoca e levaram as vítimas para uma cachoeira, onde teriam contatos espirituais. Tudo para enganar o casal”, afirmou o delegado titular do 35º Distrito Policial, Enjolras Rello de Araujo.

Os suspeitos confirmaram oferecer os serviços, mas que o valor da consulta era de R$ 20. Gaieth, que se passava por cigana, disse aos policiais que a quantia cobrada do casal pelos serviços é menor do que o informado pelas vítimas.

O caso foi registrada no 35º DP (Jabaquara). O casal será indiciado sob suspeita de estelionato e Michel por usurpação de função pública. A polícia investiga se o casal fez outras vítimas.

Outro caso

No dia 17 deste mês, duas mulheres foram presas em São Paulo acusadas de abordarem motoristas parados no trânsito para aplicar golpes. A investigação que levou às mulheres durou 15 dias e começou após um homem registrar boletim de ocorrência no 27º DP (Campo Belo), na zona sul de São Paulo.

Segundo a polícia, Helena Aristides, 61, e Nadia Viti, 37, o abordaram quando ele estava parado em um cruzamento da avenida dos Bandeirantes. Em um Chevrolet Cruze branco, as mulheres emparelharam ao lado da vítima e afirmaram ter percebido que ela sofria com algum problema familiar urgente.

Em seguida, disseram ser videntes e que poderiam ajudá-lo por terem poderes mediúnicos. Ao cair no golpe, a vítima foi orientada a ir até uma casa alugada no Campo Belo, onde passou por um ritual. Ao todo, ele deu à dupla R$ 18.600 – dos quais R$ 10 mil de um empréstimo bancário.

A polícia diz ter identificado outros dois suspeitos de participar dos golpes.