Polícia Federal apreende quase 8 t da droga.

A Polícia Federal apreendeu na Via Dutra, na noite de quarta-feira, um caminhão com 7,83 toneladas de maconha pertencente à quadrilha do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. O carregamento estava sendo levado para a Favela Beira-Mar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Duas pessoas foram presas. Valdemir Martins Rosa, de 25 anos, dirigia o caminhão, que tinha placa de Maringá e estava estacionado no quilômetro zero da Via Dutra, na altura de Jardim América, quando foi encontrado pelos agentes. Ele mora em Mato Grosso e estava hospedado em Caxias, num hotel próximo à favela Beira-Mar. O outro preso foi Risonildo da Silva, 35, encarregado de receber a maconha. O caminhão era frigorífico e, segundo a nota fiscal apresentada pelo motorista, deveria estar transportando carne a ser entregue num supermercado da cidade de São João de Meriti, também na Baixada Fluminense.

A apreensão foi feita por uma equipe de quinze agentes e um delegado da Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes da PF, que tem como objetivo coibir a entrada de armas e drogas no Estado. Segundo o superintendente da PF no Rio, Marcelo Itagiba, os agentes apreenderam durante o ano passado 668 quilos de cocaína e 15 toneladas de maconha. Em 2001, a PF apreendeu 12,5 toneladas, também do bando de Beira-Mar. Junto com a droga, foram apreendidas armas.

Violência

O Rio viveu mais um dia de violência ontem, quando as Forças Armadas já se preparavam para deixar as ruas. De manhã, no morro do Dendê, na Ilha do Governador, três pessoas morreram e quatro foram presas numa operação com 106 homens da Polícia Militar. Eles apreenderam no local duas pistolas, um revólver calibre 38 e uma granada. A polícia informou que a ação foi “de rotina.”

Durante a madrugada, havia ocorrido tiroteio entre policiais militares e traficantes no Morro do Adeus. O confronto assustou quem passava pela Linha Amarela.

Às 7h, Vanilda Barbosa Gomes, de 44 anos, levou um tiro na coxa direita durante um assalto a uma banca de jornal, na Tijuca, um dos bairros cobertos pelas Forças Armadas. Vanilda trabalhava na farmácia que funciona em frente à banca e esperava a loja abrir quando o jornaleiro e o filho dele fora rendidos por dois homens armados.