Governador Valadares (Agência Senado) – A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Emigração Ilegal, que investiga o tráfico de pessoas para o exterior, ouviu ontem, em Governador Valadares (MG), duas pessoas que estão sob a custódia da Polícia Federal. Maurício Fernandes de Souza e Wagner Pereira Gomes são acusados de falsificação de documentos públicos e foram ouvidos, em audiência sigilosa, pelo senador Marcelo Crivella (PL-RJ), presidente da comissão, e pelos deputados federais João Magno (PT-MG), relator da CPMI, Leonardo Monteiro (PT-MG) e João Magalhães (PMDB-MG). Na próxima semana, o presidente da CPMI viaja a Londres para acompanhar junto a autoridades britânicas o caso Jean Charles de Menezes.

O objetivo da CPMI é desbaratar as quadrilhas que levam brasileiros para o exterior ilegalmente e elaborar uma legislação que coíba essa atividade, uma vez que o código penal não a tipifica como crime.

O delegado da Polícia Federal em Governador Valadares, Marinho Silva Rezende Júnior, explicou que, como traficar pessoas não é considerado crime, a polícia tenta enquadrar os integrantes dessas quadrilhas pelos crimes de sonegação fiscal, falsificação de documentos, crime contra o sistema financeiro e outros.

O fenômeno da emigração ilegal de brasileiros tem em Governador Valadares o seu pólo. Segundo o delegado Marinho Júnior, o número de passaportes emitidos pela Polícia Federal em Governador Valadares quadruplicou em 2005 em relação ao ano anterior. Ele informou também que, segundo alguns cálculos, os brasileiros que vivem no exterior enviaram ao País, em 2004, R$ 5,8 bilhões, só em transações legais.