Dez policiais militares e cinco policiais civis são acusados de pertencerem a quadrilhas especializadas em roubo de carga e de bancos no Rio de Janeiro, segundo informações do Ministério Público do Estado. Alguns deles foram presos nesta manhã durante a operação Saque Noturno, da Polícia Federal. O número exato de presos ainda não foi divulgado. Eles estão sendo encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro, na Praça Mauá.

“A participação dos policiais nas quadrilhas visava a garantir o sucesso da empreitada criminosa, seja através da execução direta dos crimes, ou na segurança e impunidade dos envolvidos”, explicou o Promotor de Justiça Paulo Wunder, Coordenador de Segurança e Inteligência do MP Estadual. As quadrilhas, que agiam há quase 10 anos, eram interligadas pois tinham em comum o envolvimento dos mesmos policiais, segundo o MPE.

Cerca de 200 agentes da Polícia Federal e 120 do policiais do Grupo de Apoio aos Promotores (GAP) do MPE saíram às ruas para cumprir 55 mandados de prisão e mais de 60 de busca e apreensão em várias cidades, entre elas Rio de Janeiro, Niterói, Nova Friburgo, Campos, Cordeiro, Cabo Frio, Macaé, São Sebastião do Alto e Além Paraíba, em Minas Gerais. Foram cumpridos mandados em duas Delegacias de Polícia (151ª DP, de Friburgo, e Polinter) e dois Batalhões de Polícia Militar (11º BPM, em Friburgo, e o BPRv, de Polícia Rodoviária Estadual).