Brasília (ABr-AE) – Os seis membros da mesa diretora da Câmara dos Deputados decidiram por unanimidade encaminhar nos próximos dias ao Conselho de Ética a representação para abertura de processo de cassação dos 17 deputados citados no relatório das comissões parlamentares mistas de inquérito (CPMI) dos Correios e da Compra de Votos.

Segundo o quarto-secretário da Mesa, deputado Nilton Capixaba (PTB-RO), o corregedor da Câmara, Ciro Nogueira (PP-PI), sugere ao Conselho de Ética que dê pleno direito de defesa aos parlamentares.

Agora, deverá ainda ser feito o encaminhamento formal das representações, para que o Conselho de Ética instaure os processos contra os parlamentares e nomeie 17 relatores para os casos.

Instaurado o processo, esses parlamentares não podem mais renunciar ao mandato para evitar uma possível cassação e a conseqüente perda dos direitos políticos até 2015.

Desses 17 deputados, o Conselho de Ética já analisa processo contra quatro: José Dirceu (PT-SP), Sandro Mabel (PL-GO), Romeu Queiroz (PTB-MG) e Roberto Jefferson (PTB-RJ).

O relator da Comissão de Sindicância, Robson Tuma (PFL-SP), sugeriu à Mesa que sejam abertos novos processos para esses quatro deputados, para não atrasar a apreciação dos atuais processos, criando novos prazos e protelando a tramitação.

Representação

Os deputados João Paulo Cunha (PT-SP), Paulo Rocha (PT-PA) e Professor Luizinho (PT-SP) protocolaram representação na secretaria-geral da Casa pedindo que a Comissão de Sindicância da Corregedoria dê a eles o direito de serem ouvidos antes do envio dos nomes ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.