São Paulo – A prefeita Marta Suplicy foi atingida por respingos de ovos quando cumpria agenda em Guaianazes, na zona leste, na manhã de ontem. Quando ela chegou ao Shopping Popular de Guaianazes, enfrentou o protesto de um grupo de 150 camelôs. A prefeita entrou no shopping e saiu pela porta de trás, entrando no Núcleo de Defesa e Convivência da Mulher. Os camelôs descobriram e foram para lá, cercando o carro da prefeita. Quando ela saiu do núcleo, os camelôs começaram a xingá-la e a arremessar ovos. Um deles explodiu contra o capô do carro e respingos atingiram o rosto da prefeita.

Ela foi cercada por agentes de segurança e entrou no carro, sob uma chuva de ovos. Logo chegaram viaturas da PM e o protesto foi controlado. A prefeita foi para seu compromisso seguinte, num posto de saúde, onde já chegou limpa dos respingos.

O governador Geraldo Alckmin condenou a atitude dos camelôs. “A prefeita tem a nossa solidariedade”, afirmou ele, acrescentando que jogar “bolo e ovo nas pessoas não é a forma mais adequada de manifestação. É preciso manter a civilidade, que é a essência do regime democrático.” Alckmin comentou que na atividade pública é preciso saber distinguir as disputas legítimas. “Eu, inclusive, estou indo à China com o presidente da República. Eu poderia ir até separado. Mas acho que a gente tem de distinguir as disputas legítimas que a democracia exige e o povo decide.”

O presidente da Força Sindical e candidato do PDT às eleições municipais na capital paulista, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, disse ontem que o PT não deverá eleger nenhum prefeito nas grandes cidades, inclusive nas capitais.

“No ritmo que o PT e o governo estão indo, não conseguirão eleger prefeitos nas cidades estratégicas para o PT, incluindo São Paulo”, afirmou.

Ao saber que a prefeita da capital e candidata à reeleição pelo PT, Marta Suplicy, foi atingida por ovos na zona leste de São Paulo, um dos redutos eleitorais do partido, Paulinho comentou: “Já? Puxa, começou cedo”. Para ele, do modo que a administração de Marta está indo na capital, ela não deverá chegar nem ao segundo turno. “Do jeito que vai, a Marta vai ser o Pitta número 2”, reiterou.