Arquivo / O Estado

Presidente Lula, apesar da crise
política, é o favorito para vencer
no primeiro e no segundo turnos.

Brasília – A pesquisa CNT/Sensus divulgada ontem mostra que as recentes denúncias de corrupção não afetaram a popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nem a opinião das pessoas sobre seu governo.

A aprovação ao desempenho pessoal de Lula subiu de 57,4% em maio para 59,9% em julho e a desaprovação caiu de 32,7% para 30,2%. A avaliação positiva do governo subiu de 39,8% em maio para 40,3% em julho. A avaliação regular caiu de 38,6% para 37,1% e a negativa subiu de 18,8% para 20%. Todas as oscilações estão dentro da margem de erro da pesquisa, que é de três pontos percentuais para cima ou para baixo. A pesquisa foi realizada entre os dias 5 e 7 de julho.

Para a maioria dos 2 mil entrevistados, o escândalo de corrupção está mais vinculado à Câmara do Deputados e ao PT do que a Lula. Para 35,4%, o escândalo está ligado à Câmara; para 31,2%, ao PT; e para 12%, ao presidente Lula. Quase metade dos entrevistados (45,7%) considera que Lula não tinha conhecimento prévio das denúncias sobre o suposto pagamento de mensalão na Câmara e de corrupção nas estatais. Para outros 33,6%, ele tinha conhecimento. O restante não respondeu ou não soube opinar.

Os entrevistados também avaliam positivamente a atitude que o presidente tomou diante das denúncias de corrupção. Ele tem agido adequadamente para 47,8% e não tem agido da forma correta para 31,9%. A pesquisa mostra ainda que, para 64,7%, o pagamento de mesada a parlamentares para votar com a orientação do governo é uma prática antiga e utilizada em outros governos. Outros 18% acreditam que é uma prática nova criada no governo do PT.

Ganha todas

As simulações das eleições presidenciais de 2006 feitas pela pesquisa CNT/Sensus apontam que o presidente Lula ganharia no primeiro turno em todas, à exceção da lista em que aparece o prefeito de São Paulo, José Serra. No primeiro cenário, Lula teria 38,5% dos votos, seguido por Geraldo Alckmin, com 13,9%, Anthony Garotinho, com 12,12%, César Maia, com 5,6%, Heloísa Helena, com 3,8%, e o intelectual Mangabeira Unger, com 0,8%. Indecisos, brancos e nulos somariam 26,3%.

Na segunda lista, Lula teria 29,4% dos votos, contra 12% de Garotinho, 9,5% de Aécio Neves, 6,3% de Cesar Maia, 3,3% de Heloísa Helena, 1,2% de Mangabeira. Brancos, nulos e indecisos somariam 28,5%. Na terceira lista, Lula teria 37,1% dos votos, José Serra, 19,1%, Garotinho, 9,8%, César Maia, 6,6%, Heloísa Helena, 3,1%, Mangabeira, 0,8%. Brancos, nulos e indecisos somariam 26,7%. Na quarta lista, Lula teria 38,1% dos votos, Garotinho, 11,6%, Fernando Henrique Cardoso, 10,8%, César Maia, 8,1%; Heloísa Helena, 3,7%, Mangabeira, 11,08%. Brancos, nulos e indecisos seriam 27,2%.

Se as eleições para presidente da República fossem hoje, 30,8% não votariam em Lula e o político mais rejeitado pelos entrevistados é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Segundo a pesquisa CNT/Sensus, 58,1% não votariam em FH. A rejeição dos eventuais candidatos é a seguinte: Geraldo Alckmin, 42,4%; Aécio Neves, 42,5%; César Maia, 55,4%; e Anthony Garotinho, 57,9%.

Comitiva de Lula chega hoje em Paris

Paris – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega hoje à capital francesa, onde vai participar das comemorações do Ano do Brasil na França. O primeiro compromisso, às 11 horas (horário local), será a abertura do seminário Brasil: Ator Global, na Universidade de Sorbonne.

Em seguida, o presidente encontra-se com empresários franceses e brasileiros, no restaurante Le Pré Catelan, um dos mais famosos de Paris. Depois, participa do encerramento do Fórum Franco-Brasileiro da Sociedade Civil, iniciado ontem, e realizado pela Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong) e a Solidarité Urgence Développement (SUD), uma espécie de rede de ONGs francesas.

No encontro, está sendo discutida a cooperação entre ONGs dos dois países nas áreas de agricultura familiar, questões habitacionais, economia solidária e financiamento para o desenvolvimento. À noite, Lula reúne-se com o prefeito de Paris, Bertrand Delanoe, do Partido Socialista. O presidente encerra a agenda de atividades no Baile da Cidade, na Praça da Bastilha. Diversos artistas brasileiros reconhecidos internacionalmente vão participar do evento. Entre eles, estão o ministro da Cultura, Gilberto Gil, e a cantora Daniela Mercury.

Na quinta-feira, dia 14, data nacional da França, Lula assiste ao desfile militar, nos Champs-Elysées. A data comemora a Queda da Bastilha, quando a França se tornou república. Cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras, a Banda de Fuzileiros Navais e a Esquadrilha da Fumaça vão participar do evento, segundo a programação divulgada pelo Itamaraty.

No mesmo dia, Lula terá encontros, separados, com o presidente francês, Jacques Chirac, nos jardins do Palácio do Eliseu, e com prefeitos franceses. Lula visitará também o Espaço Brasil, montado por conta do Ano do Brasil na Franca. O espaço tem o objetivo de mostrar a diversidade e modernidade da cultura brasileira por meio de shows, peças de teatro e exposições.