A taxa de fecundidade no Brasil em 2006 ficou em 2,0 nascimentos por mulher, inferior à verificada no ano anterior (2,1 nascimentos por mulher). A informação consta da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada nesta sexta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A pesquisa mostra também uma redução no porcentual de pessoas de zero a nove anos de idade e aumento do porcentual de pessoas de 40 anos ou mais no total da população. A fatia de pessoas de zero a nove anos recuou de 17,1% em 2001 para 16,5% em 2005, enquanto a de 40 anos ou mais aumentou de 31,5% para 32,3%.

Os dados que englobam o período de 1981 a 2006 mostram uma redução ainda mais clara do número de jovens no total da população. O porcentual de pessoas com menos de 25 anos de idade caiu de 58,2% em 1981 para 44,3% em 2006. Para o IBGE, "a transformação da estrutura etária do País, de uma composição jovem para envelhecida, reflete os efeitos da redução do número de filhos e do aumento da expectativa de vida da população".

O número médio de pessoas por domicílio ficou em 3,4 no ano passado, ante 3,5 em 2005. Enquanto no Norte viviam em média 4,0 pessoas por domicílio no ano passado, no Sudeste eram 3,2.

Do total de domicílios brasileiros, 55,8% tinham até três moradores e 2,3% tinham oito moradores ou mais. O número de domicílios com apenas uma pessoa passou de 10,8% em 2005 para 11 1% em 2006.

A Pnad também detectou ligeiro aumento na participação de "pretos" (o IBGE utiliza a terminologia "preto" e não "negro") na população residente no Brasil em 2006, em relação ao ano anterior. O porcentual de pessoas que se auto-declararam "pretas" na pesquisa foi de 6,9% do total da população, ante 6 3% no ano anterior.

A coordenadora de emprego e rendimento do instituto, Márcia Quinstlr, explicou que houve uma migração na declaração de raça de "pardos" para "pretos", "mas, ainda que isso já tenha sido observado em pesquisas anteriores, é preciso esperar um pouco mais para afirmar que houve uma mudança de comportamento".

Em 2006, segundo a pesquisa, a população era composta por 49,7% de "brancos", 42,6% de "pardos" e 6,9% de "pretos". Entre as regiões, a composição mostrou-se bastante diferenciada: enquanto nas regiões Norte e Nordeste predominavam "pardos" e "pretos", na região Sul, quase 80% das pessoas eram "brancas".