A presidente nacional do PSOL, Heloísa Helena, disse nesta quinta-feira (13) que "houve um conluio articulado pelo presidente Lula para salvar o mandato do presidente do Senado, Renan Calheiros, que tanto serviço sujo prestou ao Palácio do Planalto, protegendo mensaleiros e sanguessugas ligados ao governo". A ex-senadora concedeu entrevista ao programa "Cidadania", da Rádio Jornal, que pertence ao ex-deputado federal João Lyra (PTB), principal rival de Renan, no Estado.

Para a ex-senadora, autora da denúncia contra Renan no Conselho de Ética do Senado, a absolvição do presidente da Casa revela o "verdadeiro balcão de negócios que se transformou o Congresso". Ela disse ainda que "dá nojo vê tanta hipocrisia, tanta desfaçatez entre os parlamentares governistas", que ajudaram a absolver o presidente do Senado.

No entanto, a ex-senadora disse que "a luta continua" para mostrar ao Brasil que Renan não merece continuar exercendo o mandato e muito menos presidindo o Senado. Heloísa lembrou que o presidente do Senado ainda responde a outros três processos, dois frutos de denúncias do PSOL e um dos Democratas. Renan é acusado de favorecer a Cervejaria Schincariol, numa negociação de dívida junto ao INSS; de usar laranjas para compras empresas de comunicação em Alagoas; e de arrecadar propina de ministérios dirigidos por ministros indicados pelo PMDB.

Para Heloísa, o presidente do Senado, apesar de absolvido, ainda tem muito que se explicar. "Ele ainda precisa se livrar de uma série de acusações que tramitam contra ele no Conselho de Ética do Senado, por tráfico de influência, falsidade ideológica, recebimento de propina, enriquecimento ilícito, sonegação fiscal lavagem de dinheiro e formação de quadrilha", destacou a ex-senadora alagoana, referindo-se a Renan. Segundo ela, o presidente do Senado se livrou de um, mas não escapará dos outros processos por falta de decoro.

A ex-senadora disse ainda que o Senado Federal – a mais alta corte legislativa do País, uma instituição centenária – precisa se recompor, reavaliar sua conduta, "sob pena de continuar sendo desmoralizado, servindo de chacota junto ao opinião pública". Heloísa deixou claro que ainda tem fé na justiça e nas ações dos homens de bem.