Um ex-detento, que não teve seu nome revelado por motivo de segurança, se apresentou à polícia na noite de ontem dizendo que foi contratado para assumir o assassinato da turista alemã naturalizada italiana Jennifer Marion Nadja Kloker, de 22 anos, em Pernambuco, em fevereiro deste ano. Ele afirmou ter sido contratado pela ex-sogra da vítima para assumir o crime. De acordo com a polícia, ele contou que receberia R$ 20 mil.

Segundo o diretor geral de operações da Polícia Judiciária, Oswaldo Morais, o ex-detento disse horas antes, em entrevista a uma rede de televisão realizada no escritório de seu advogado, que ele era um dos assaltantes que teria matado a turista. Já à noite, ele compareceu à sede do Grupo de Operações Especiais (GOE) e se apresentou ao delegado Claudio Castro para desmentir a versão dada à TV, informou o diretor.

De acordo com Morais, o depoimento do ex-detento foi feito para atrapalhar as investigações. Tratados como suspeitos de envolvimento na morte da turista, o marido da vítima, Pablo Tonelli, de 22 anos, e seu sogro, Ferdinando Tonelli, de 45, foram presos no dia 23 de fevereiro, em Recife. A polícia trabalha com as hipóteses de crime passional e envolvimento com tráfico de drogas, embora ainda não descarte a versão de latrocínio (roubo seguido de morte) dada pela família.