São Paulo – O vigia Ricardo Francisco dos Santos, de 26 anos, confessou ontem ter participado da chacina da família Yonekura. Ele apontou Celso Alencar dos Santos, 33, como seu cúmplice no crime e disse que outros dois homens os ajudaram. Eles seriam amigos de Celso, que fugiu em março da Penitenciária de Franco da Rocha, onde cumpria pena em regime semi-aberto depois de condenado por roubo, homicídio e porte ilegal de arma.

Na casa de Ricardo, os investigadores do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) apreenderam um quadro pintado por Futaba Yonekura, mulher do aposentado Tadashi e mãe de Nilton, Fátima e de William, que sobreviveu. William perdeu também a mulher no crime, Erica Miyamoto Yonekura, executada com um tiro na cabeça. Bruno, o filho de 11 meses do casal, foi poupado.

Ricardo era amigo de infância de Nilton e contou ter telefonado para Tadashi um dia antes do crime.