Nos dois últimos anos, o Brasil apresentou um crescimento recorde do número de
transplantes e se tornou o país com maior número de procedimentos realizados em
sistemas públicos de todo o mundo. Os dados apontam aumento de 36,1% entre os
anos de 2002 e 2004, quando o Brasil atingiu a marca de 10.920 transplantes. Em
2002, foram realizados 7.981 procedimentos.

De janeiro a março deste
ano, dados preliminares já apontam um total de 2.500 transplantes em todo o
país. O transplante que mais cresceu foi o de córnea, um aumento de 52,6% – de
3.496, em 2002, para 5.335, em 2004. O número de doações também aumentou ? de
1.183 em 2003 para 1.408 em 2004 ? assim como o total de procedimentos
realizados em praticamente todos os estados.

Vinte um estados e o
Distrito Federal têm hoje centrais de transplante. As unidades dos estados do
Acre, Rondônia e Tocantins estão em fase de implantação. O Ministério da Saúde
atribui o crescimento à maior conscientização da população e à participação da
sociedade no processo de doação e transplante, além das campanhas para
incentivar a doação.

A rede pública de saúde conta com 1.260 equipes
médicas e 551 unidades credenciadas para a realização de transplantes. Em 2004,
foram destinados R$ 400 milhões para a realização de transplantes de órgãos e
tecidos. O valor é 16,61% maior que os R$ 343 milhões gastos no ano anterior.
Atualmente, um transplante custa, em média, R$ 35 mil ao Sistema Único de Saúde
(SUS).