O Programa de Microcrédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou R$ 76,3 milhões desde sua criação, em 2005. Até o final de sua vigência, em dezembro de 2008, o programa ainda tem R$ 93 milhões para investir.

O gerente do departamento de Economia Solidária da Área Social do BNDES, Fábio Chiletto Gonçalves, afirmou que, no próximo biênio (2007/08), deverão ser disponibilizados pela instituição para a área do microcrédito em todo o país R$ 93,7 milhões. No ano passado, as aprovações do BNDES em microcrédito bateram o recorde de R$ 48 milhões, com 13 instituições apoiadas.

De acordo com estimativa da Área Social do BNDES, as 24 instituições apoiadas pelo programa de microcrédito até 2006 "vão realizar em torno de 800 mil operações nos próximos cinco anos, no valor aproximado de R$ 970 milhões em microcrédito produtivo, para microempreendedores de baixa renda, frisou Chiletto. Com recursos do BNDES, a expectativa é que essas instituições realizarão 335 mil operações, no valor total de R$ 400 milhões.

O microcrédito constitui uma ferramenta importante para a geração de empregos no Brasil. O diretor da Área de Inclusão Social do BNDES, Élvio Gaspar, acredita que a carteira de microcrédito da instituição poderá criar e manter em torno de 1 4 milhão de postos de trabalho no país, nos próximos cinco anos.

Segundo revelou o gerente de Economia Solidária do BNDES, as regiões que receberam a maior parte de recursos do banco foram o Nordeste e o Sul. O valor mínimo de financiamento concedido pelo BNDES é de R$ 1 milhão.