Assim como qualquer produto comercial, os carros também estão sujeitos a fazer sucesso e depois, por diferentes motivos, acabam preterido pelo consumidor. Alguns estrearam no Brasil com pompa, ganharam fama e traziam discursos que movimentariam o mercado, mas aos poucos migraram para o ostracismo. Selecionamos quatro exemplos atuais que estão passando por esse ciclo:

Kia Soul

O grande vilão para o declínio do Kia Soul no país foi o preço. No início da década de 2010, o modelo ficava na casa dos R$ 50 mil. Hoje, um zero km ultrapassa os R$ 90 mil.
O valor elevado se deve, em grande parte, às altas taxas de importação, uma vez que a marca não conta com fábrica no Brasil.

Chevrolet Captiva

O modelo tinha tudo para se tornar o queridinho dos amantes dos SUVs. Em 2009, foram mais de 13 mil unidades vendidas no Brasil, o que fez do carro o quarto utilitário mais vendido no país.
Atualmente, ele ocupa o longínquo 34º lugar da categoria, com 1,2 mil unidades vendidas no último ano. Para tirá-lo da concessionária é preciso desembolsar R$ 104 mil.

Hyundai Azera

O sedã foi outro prejudicado pelo preço. Em 2011, quando custava cerca de R$ 70 mil, emplacou 8,4 mil exemplares. Já no ano passado, quando a tabela dele ultrapassou os R$ 160 mil, foram vendidas apenas 866 unidades.
Atualmente, o Azera zero km não é vendido por menos de R$ 173 mil.

Hyundai i30

O hatch médio chegou ao Brasil em 2009, atingindo a marca de 36 mil unidades licenciadas no ano seguinte. Passou, então, a liderar a sua categoria, a frente de Ford Focus e Volkswagen Golf.

Aos poucos, foi perdendo espaço para o HB20, que, apesar de menor no tamanho, cabia melhor no bolso do brasileiro, principalmente por trazer o mesmo motor 1.6, de 128 cv. No irmão maior, este propulsor era fraco demais.

A Hyundai até apostou no i30 com motor 1.8, em 2014, mas não colou. O modelo vendeu apenas 2,6 mil unidades em 2015, e hoje custa R$ 89 mil.