Cumprida a primeira etapa de 493 quilometros entre Rio/São Paulo/SP do Grande Prêmio Bi-Centenário de Porto Alegre, os 15 pilotos “sobreviventes”, após descanso e os reparos nos carros, partiram às 9,00 horas do dia 15 de novembro de 1940 para disputarem curva a curva o trecho de 496 quilometros até Curitiba, passando por Cotia, São Roque, Sorocaba, Campo Largo, Itapetininga, Gramadinho, Capão Bonito, Apiaí, Capela da Ribeira e Bocaiúva do Sul.

Ainda sob chuva largaram, de acordo com a ordem de chegada em São Paulo, os pilotos: Clemente Rovere/SC – carro 16 – Ford; Francisco Landi/SP – carro 18 – Ford; Iberê Correia/SC – 6 – Ford; Catharino Andreatta/RS – 42 – Mercury; Julio Vieira/SP – 12 – Lincoln Zephyr; Ernesto Ranzolini/RS – 26 – Ford; Adalberto Morais/RS – 36 – Chevrolet; Antonio Peres/RS – 4 – Mercury; Raulino Miranda/SC – 37 – Chevrolet; Oscar Bins/RS – 2 – Ford; Hector Supicci/Uruguai – 10 – Ford; Ari Corteze/Rio – 20 – Ford; Belmiro Terra/RS – 46 – Chevrolet; Salvador M. Pereira/SP – 20 – Willys; Etel Cantoni/Uruguai – carro 44 – Ford.

Após muitos trancos e barrancos, o piloto gaúcho Catharino Andreatta, em início de carreira e que já despontava como um “cobra” das corridas de carros em estrada, venceu esta segunda etapa do GP, perfazendo o trecho em 6 horas, 18 minutos, 37 segundos e 6/10.

Em segundo lugar classificou-se o piloto uruguaio Etel Cantoni com 6 horas, 30 minutos, 31 segundos e 4/10 e em terceiro o catarinense Clemente Rovere com 6 horas, 30 minutos e 50 segundos.

Apesar da fantástica prova não contar com nenhum piloto paranaense, a chegada dos carros em Curitiba ocorreu, sob grande expectativa, na rua Comendador Araujo, em cujas calçadas a multidão aglomerou-se para saudar os participantes.

Na sequência chegaram os pilotos Julio Vieira, Iberê Correia, Oscar Bins, Luis Tavares de Morais, Adalberto Morais, Ernesto Ranzolini, Belmiro Terra, Ari Corteze, Raulino Miranda e Hector Supicci, este no tempo de 7h44´.

O carro número 18, de Francisco Landi, sofreu avaria enquanto o piloto Salvador M. Pereira não conseguiu chegar até às 18,00 horas daquela data. Nessa altura dos acontecimentos os pilotos haviam percorrido praticamente a metade dos 2.076 quilometros previstos até Porto Alegre/RS e as coisas começavam a se alinhar, ou seja, os carros melhor preparados para enfrentar tamanha maratona e os pilotos mais arrojados já despontavam.

Nas fotos de hoje, a largada, em São Paulo e a chegada, em Curitiba, em frente ao Restaurante e Hotel Bahia, na rua Comendador Araujo, de uma das carreteiras Ford participantes do GP. Agora, a terceira etapa, Curitiba/ Florianópolis. Não perca!