Foto: Irandy Ribas
Furacão passeou no Pacaembu.

O fim de semana prometia para o futebol paranaense, mas por pouco não se transformou em desastre. No sábado, o Coxa jogou contra o Atlético-MG e perdeu por 1 a 0, numa falha do goleiro Fernando. Hoje à tarde, o Paraná atacou, dominou amplamente a partida, mas saiu do Pinheirão com uma derrota por 1 a 0 e, de quebra, perdeu a invencibilidade em casa. Restou ao Atlético defender a honra dos paranaenses.

E o Furacão defendeu de maneira brilhante! Goleou o Corinthians por um inapelável placar de 5 a 0, com atuações magistrais de Dagoberto, com dois gols, e de Jadson, o herói da noite, que anotou três gols, sendo um deles um golaço de falta e ainda mantém um tabu de não perder para o alvinegro paulista desde 1998.

Fim dos 100%

O Tricolor da Vila deu pinta de que ia ganhar com facilidade o time da Ponte Preta. Fazendo valer o mando de campo, o Paraná partiu com tudo para sufocar o adversário. Wellington Paulista, Fernando, Adriano e Cláudio, o melhor em campo, infernizaram a vida dos zagueiros da Macaca, sendo em jogadas de bola parada, ou em bolas trabalhadas. Entretanto, a pontaria dos jogadores paranistas e as boas intervenções do goleiro Lauro não permitiam ao Paraná abrir o marcador.

O time paulista pouco fez no duelo. Literalmente dominado pela equipe paranaense, a Ponte armou-se numa retranca e subiu poucas vezes para o campo adversário. E, no único ataque da Macaca no primeiro tempo, aos 45 minutos, saiu o lance que definiu o jogo. A zaga do Paraná vacilou e o lateral André Cunha, tabelando com Anselmo e Vânder, saiu na cara do gol de Flávio que nada pôde fazer para evitar o gol.

O Paraná voltou ainda melhor para segunda etapa. Do primeiro ao último minuto do segundo tempo, só deu Paraná. A Ponte, repetindo o que havia feito na primeira etapa, limitou-se a segurar as investidas paranistas e atacou poucas vezes a meta do goleiro Flávio. Só que o Tricolor não conseguiu transformar as chances obtidas em gols. Nem com as entradas dos atacantes Choquito e Marcel, o Paraná foi capaz de furar o bloqueio adversário, que conseguiu sair de Curitiba com mais três pontos na bagagem.

Jadson devastou o Pacaembu

Ele marcou três belos gols, comandou o Atlético como um maestro rege uma orquestra e, de longe, foi o craque da partida. A única coisa que Jadson não fez no massacre do Atlético contra o Corinthians foi fazer chover, até porque São Paulo estava sendo castigada por uma forte chuva. De resto, ele fez tudo e mais um pouco.

O Corinthians até tentou assustar o Furacão logo no início da partida. Aos quatro minutos, Coelho chutou de longe, obrigando o goleiro Diego a fazer uma boa intervenção. E foi só, porque a partir daí o rubro-negro ditou as regras do jogo e só voltaria a ser importunado pelo inoperante ataque corintiano em duas oportunidades: a primeira, aos 44 minutos, num chute de Renato, que Diego defendeu e outra aos oito minutos do segundo tempo, numa jogada em que Jô, que estava impedido, mas a arbitragem errôneamente não marcou, não soube aproveitar.  

O primeiro gol atleticano saiu aos 25 minutos da primeira etapa. Ilan acreditou numa bola perdida e passou na medida para Jadson mandar uma bomba no canto direito de Fábio Costa, abrindo o marcador. Não demorou muito e o Furacão ampliou o marcador. De novo ele, Jadson, que num lindo drible deixou três marcadores na saudade e fuzilou o gol do Corinthians.

A equipe paulista sentiu os gols e começou a ficar mais perdida dentro de campo. Numa bobeira, Rincón tentou recuar a bola e Dagoberto, esperto e livre de marcação, encheu o pé para fazer Corinthians 0 a 3 Atlético.

Segundo tempo

Como era de se esperar, o rubro-negro voltou melhor e foi logo partindo para cima do adversário. Logo aos dois minutos, o time comandado por Levir Culpi puxou um rápido contra-ataque, que acabou sendo desarmado pela retaguarda corintiana.

A pressão do Furacão continuou e suritu efeito. Aos 15 minutos, Jadson, numa cobrança de falta perfeita, colocou a bola no ângulo esquerdo de Fábio Costa, que nem se mexeu. A torcida do Corinthians perdeu a paciência e alguns torcedores invadiram o campo para agredir alguns jogadores, mas acabaram sendo contidos pelos seguranças.

Pouco antes de ser substituído, Jadson ainda quase marcou aquele que seria o seu quarto gol no jogo. O meia acertou um belo chute de fora da área, mas desta vez Fábio Costa fez a defesa.

E Dagoberto, outro destaque do jogo, aproveitou um cruzamento de Fernandinho e, sozinho, empurrou a bola para o fundo das redes, encerrando a goleada histórica do Furacão e dando números finais ao jogo.