Foram transferidos para um presídio em São Roque, no interior paulista, os três homens presos em Ibiúna, sob a acusação de terem participado do assalto ocorrido na terça-feira de carnaval naquele município, durante o qual o ministro da Fazenda, Guido Mantega, foi mantido refém por quase quatro horas. O crime ocorreu na chácara do empresário Vitor Sandri, onde o ministro e sua esposa estavam hospedados. Os presos negam participação no assalto, mas a polícia afirma que os capuzes usados no assalto e os coldres das armas foram encontrados na moradia de um deles.

Na noite do crime, por volta de 22 horas, os três encapuzados, fortemente armados, renderam o caseiro da chácara e o obrigaram a levá-los até a casa principal, onde Mantega jantava com o empresário e seus os familiares. Durante as mais de três horas em que ficaram vasculhando a chácara e recolheram uma quantia em dinheiro, jóias e armas do empresário, o casal Mantega e os familiares de Sandri foram mantidos sob a mira de revólveres. Para fugirem, os assaltantes obrigaram o empresário a levá-los em seu veículo até um bairro próximo.