enkontra.com
Fechar busca

+ Pop

mais-pop

Uma década sem Clodovil Hernandes: relembre sua trajetória na TV

  • Por Estadão Conteúdo

Em 17 de março de 2009, há exatamente 10 anos, morria o apresentador, estilista e deputado federal Clodovil Hernandes. Conhecido por sua personalidade forte, seus comentários ácidos e seu frequente envolvimento em polêmicas, Clodovil conquistou uma legião de fãs e outra de desafetos ao longo da carreira.

O estilista passou por quase todas as emissoras de TV aberta no Brasil, algumas das quais nem existem mais. Dono de uma personalidade forte, dificilmente conseguia se manter na mesma emissora por muito tempo – e colecionava inimigos por onde passava.

Na Globo, por exemplo, tinha desafetos com Marília Gabriela. Na RedeTV!, chegou a chamar Luisa Mell, então namorada de um diretor da emissora, de ‘Rita Cadillac do futuro’. Na Band, fez críticas a Adriane Galisteu, envolvida com o patrocínio de seu programa.

“Comecei a fazer televisão com 20 anos. Fiz muito programa vespertino com a Janete Coutinho, aquelas mulheres, na Tupi. Fiz muitas vezes a Rede Record, que era o máximo à época, e tal, muitas entrevistas”, afirmava Clodovil, em vida. “Saí brigado de todas as emissoras que trabalhei, mas é porque eu, burramente, defendia os interesses do proprietário”, justificava.

O 8 ou 800 de Dona Beija

Foi em 1977, no extinto 8 ou 800, da Globo, apresentado por Paulo Gracindo, que Clodovil teve uma de suas primeiras participações marcantes na televisão brasileira.

No programa, exibido nas noites de domingo, os participantes precisavam responder perguntas sobre um tema ou personalidade em busca do prêmio máximo de 800 mil cruzeiros. Clodovil escolheu Dona Beija, figura brasileira do século 19. E saiu vitorioso.

TV Mulher com Marília Gabriela (Globo)

Desde a estreia do TV Mulher, em 1980, até o ano de 1982, Clodovil possuía um quadro no programa em que dava dicas de estilo, desenhava modelitos e entrevistava nomes conhecidos do mundo da moda.

Posteriormente, ele passou também a ler cartas de telespectadoras para aconselhá-las sobre quais roupas usar em determinadas ocasiões.

O primeiro programa solo de Clodovil (Band)

Em 21 de março de 1983, às 21h, foi ao ar o primeiro programa solo de Clodovil, levando seu nome, na Bandeirantes.

“O público exigiu minha volta. Foram nove meses de conversação, até que eu me decidisse a fazer o programa, cuja proposta é levar ao público uma coisa bem brasileira”, afirmava o apresentador, que estava longe das telas havia quase um ano.

No programa, Clodovil cantava, dançava e conversava com diversas personalidades sobre os mais variados temas.

Rede Manchete e a polêmica com Ulysses Guimarães

Em 23 de janeiro de 1984, Clodovil estreou na Rede Manchete, emissora que havia sido fundada há menos de um ano. Seu primeiro trabalho no canal foi participando do Manchete Shopping Show, divulgado como “um programa de atualidades, serviços e informação dirigido à mulher moderna […]Um encontro diário com colunistas, gente famosa e convidados especiais”.

Em 1985, apresentou o De Mulher para Mulher, exibido nas tardes da emissora. No ano seguinte, veio Clô Para Os Íntimos, investindo no formato ao qual já estava acostumado.

No programa, o apresentador conseguiu a presença de inúmeras personalidades da época, como Fernanda Montenegro, Myrian Rios, Luiz Carlos Barreto, Augusto Boal, Malcolm Roberts e Elizeth Cardoso.

Em 1988, porém, uma indisposição com o então presidente da Assembleia Nacional Constituinte realizada no Brasil, Ulysses Guimarães, custou seu cargo na emissora.

“Quando falei naquela época na televisão: ‘Escuta aqui, isso é uma constituinte ou uma prostituinte?’, o Ulysses Guimarães ligou pra Manchete e disse assim: “Tire esse viado filho de uma p*** do ar hoje!”, relembrou Clodovil anos depois.

Retorno à Manchete

Em junho de 1992, Clodovil foi chamado para um retorno à Manchete. Pouco depois, em 13 de julho, estreou o Clodovil Abre O Jogo.

Com o bordão “Olhe para a tela da verdade e me diz”, o programa era vendido bem ao estilo do apresentador: “Talk-show é talk-show. Mas sob o comando de Clodovil, é algo mais. É jogo aberto. Nada de meias palavras. Muito sincero e sempre surpreendente, o que Clodovil diz para as lentes faz da sua TV uma tela da verdade”.

“Vocês querem que eu ponha o dedo nas feridas, mas não estou gostando muito desse papo de mandar abrir o jogo. Lavar roupa suja no meu programa? Vai virar O Povo na TV, é?”, questionava à sua equipe durante as primeiras gravações.

A atração contava também com o pianista Ronaldo Pelicano, chamado de “Paixão” por Clodovil. Ele, porém, não gostava muito do apelido: “Não que eu ache chato, mas isso precisa ser reconversado, porque não quero ser apenas o ‘Paixão do Clodovil'”.

Com o programa gravado, Clodovil não escondia seu desapontamento com o fato: “Eu preferia que fosse ao vivo. Imagine se na vida real a gente para de repente para arrumar a luz?”

No primeiro semestre de 1993, Clodovil deixou novamente a emissora, e não poupou críticas. “Pior do que eu estava na Manchete? Cortaram os telefones por falta de pagamento, cheguei a fazer programa sem plateia porque não havia dinheiro para pagar os ônibus que traziam o público e nem o lanche”.

A saída de Clodovil se deu em meio a uma disputa judicial sobre o canal, na qual a gestão de Hamilton de Lucas de Oliveira foi obrigada a devolver a emissora para Adolfo Bloch. Clodovil reclamava uma dívida de 115 mil dólares, à época.

“Que mal fiz para o pessoal da Manchete para eles me tratarem assim? […] É o segundo calote que levo. No primeiro, me puseram na rua sem nada. E depois estamparam na capa da [revista] Amiga que eu estava com aids. Eles usam a desgraça para ganhar dinheiro”.

Clodovil Abre o Jogo na Rede OM / CNT

Em 23 de maio de 1993, Clodovil estreou na Rede OM, que pouco depois passaria a se chamar CNT (Central Nacional de Televisão), rede que chegou a contar com o locutor Galvão Bueno em sua equipe de contratados naquela época.

O nome de seu programa continuou como Clodovil Abre o Jogo. Além disso, também passou a apresentar um programa semanal, o Em Noite de Gala.

Clodovil afirmava que, mesmo com “várias” propostas de SBT, Record e Bandeirantes, havia optado pela emissora por conta do pedido de uma antiga cliente sua, a mãe de José Carlos Martinez, dono da rede – além, é claro, de uma proposta financeira mais vantajosa. “A emissora é pequena porque não tem grandes estrelas”, dizia.

Em janeiro de 1994, enquanto fazia uma viagem a Paris, a emissora trocou toda a equipe de produção de seu programa. Em novembro daquele mesmo ano, chegou ao fim o contrato de Clodovil na CNT. A emissora entrou com uma ação pedindo rescisão por justa causa por “desrespeito à hierarquia e sucessivos desentendimentos com a casa”.

“Ele gerou tanta confusão que acabou tornando insustentável a sua permanência. Chegava tarde para as gravações e não era raro vê-lo destratar técnicos ou mesmo convidados”, afirmava José Carlos Martinez à época.

O ponto final foi uma entrevista com Adriane Galisteu. Nela, Clodovil questionou se Ayrton Senna, que havia sido seu namorado até a sua morte, meses antes, seria gay. “A ofensa a um ídolo nacional não podia ser tolerada”, justificava Martinez.

Clodovil, por sua vez, alegava que a demissão era uma retaliação contra suas reclamações por salários atrasados, estimados entre mais de R$ 100 mil, incluindo cachês publicitários. O apresentador chegou a dar uma entrevista ao jornal O Globo criticando a direção da emissora cerca de três semanas antes de ser despedido. “Nunca deixamos de pagar religiosamente o salário de R$ 40 mil”, garantia Martinez.

Clodovil com Bala na Agulha na Rede Mulher

Em agosto de 1995, Clodovil foi contratado pela Rede Mulher para apresentar o Clodovil com Bala na Agulha, com formato elaborado por Eduardo Sidney, ex-redator da Escolinha do Professor Raimundo.

A expectativa dos diretores da rede, à época, um canal acessível apenas para quem tivesse TV a cabo ou antena parabólica, o que reduzia bastante o alcance de seus programas, era que o nome de Clodovil impulsionasse a audiência. “O fato de poucos assistirem não me impede de manter a qualidade”, afirmava.

No programa, Clodovil fazia entrevistas e falava sobre moda e temas polêmicos. Seus atritos com o canal começaram antes mesmo de sua contratação. O então superintendente da Rede Mulher, Percival Palesel, chegou a anunciar sua estreia. Clodovil, porém, negava a existência de um contrato: “Por enquanto é tudo conversa. Sou um produto caro”.

Clodovil conseguia levar seus programas a conquistar até três pontos de audiência na contagem da época, o que era significativo, uma vez que a emissora estava acostumada ao ‘traço’.

Além disso, nomes importantes toparam lhe dar entrevistas na Rede Mulher, como Fernanda Montenegro e o então jogador de futebol Edmundo.

“Não tive problemas na Rede Mulher, mas eu era muita areia para o caminhãozinho deles”, afirmou Clodovil após sua saída da emissora, na qual passou cerca de seis meses.

Flores, porém, foram o estopim para sua saída. Assustada com o valor da nota da conta de uma floricultura, a direção da emissora exigiu que Clodovil realizasse o pagamento de seu próprio bolso, o que foi negado. Na sequência, a relação que já não vinha bem, chegou ao fim.

Mesmo assim, o canal continuou exibindo reprises da atração durante algum tempo, o que fez com que alguns telespectadores sequer soubessem de sua saída.

Clodovil e seus Retratos: de volta à CNT

Dois anos depois, em 29 de julho de 1996, ele retornou à emissora para apresentar o Retratos, alegando ter refletido sobre sua forma de conduzir entrevistas: “É provável que tenha afastado algumas pessoas. Eu aprendi que ser temido não significa o mesmo que ser respeitado”.

A proposta era que o programa trouxesse o estilista desenhando algumas criações de improviso enquanto falasse sobre temas ligados ao universo feminino, além de contar com entrevistados.

Clodovil queria que a estreia contasse com uma entrevista bombástica de PC Farias, tesoureiro do então presidente Fernando Collor que acabou morrendo poucas semanas antes de uma possível gravação.

O apresentador pretendia conquistar a confiança de Farias com a ajuda de um amigo em comum entre os dois, cogitando até mesmo realizar a gravação em Alagoas e não abordar processos criminais durante a conversa.

“O carma dele era horrível. Ter a energia do inconsciente coletivo de todo um País contra você não é brincadeira”, dizia Clodovil após a morte do tesoureiro.

Retorno à Band por três meses: polêmica com Adriane Galisteu

Em janeiro de 1998, passou um período isolado em Ubatuba e chegou a afirmar que “só voltaria à TV se fosse na tela da Globo”. Meses depois, já estava negociando com a CNT, mas acabou fechando com a Band em agosto, para a apresentação do Clodovil Soft.

Afastado da TV havia quase um ano, Clodovil tinha perdido cerca de 10 quilos. “Cansei de ficar esperando e fui falar com o Johnny Saad (então vice-presidente da Band)”, afirmava sobre o contrato de dois anos.

Inicialmente com o vespertino Clodovil Soft, que estreou em 24 de agosto, almejava voos maiores com um programa em horário nobre: “À tarde, a gente ganha fama. À noite, prestígio”.

O programa contava com a presença da personagem Mamãe Mídia (Lourdes Rosa), sua ‘secretária’, além de um ajudante de palco e um bizarro fantoche de uma câmera de vídeo afeminada chamada Pink Pintosa – talvez uma tentativa de entrar no embalo do sucesso de Louro José, de Ana Maria Braga, e de Xaropinho, do Ratinho.

Porém, em novembro, o clima mudou. Ao receber Roberto Justus, então noivo de Adriane Galisteu, Clodovil sugeriu que ela “iria cair de paraquedas nas joias da futura sogra”. O detalhe é que uma sopa vendida por Galisteu era a principal patrocinadora do programa.

A Band alegou que Clodovil foi “ofensivo a um patrocinador” e encerrou a atração. Clodovil, à época, afirmava que a Band se recusava a pagar os custos de sua demissão e ameaçou levar o caso à Justiça.

Volta à Rede Mulher e briga com Edir Macedo

Em 1999, o apresentador retornou à Rede Mulher à frente do Clodovil. A ideia era recriar um clima inspirado na praia de Ubatuba, onde morava, semelhante à Ilha da Fantasia (seriado da década de 1960).

“A primeira coisa que pergunto é se a entrevista é com você ou sobre você. Receberei todo tipo de pessoa”, planejava o apresentador, que garantia que deixaria seus convidados à vontade.

Para fechar os programas, o jargão: “Fale qualquer coisa que sempre teve vontade, mas nunca teve coragem.”

O Clodovil, que ia ao ar diariamente às 21h50, estreou em 22 de março daquele ano, mas durou menos de um mês. Em 15 abril, a emissora foi adquirida pela Rede Família, ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, de Edir Macedo, que também é proprietário da Record TV.

Os novos donos pareceram não ter gostado muito da imagem de Clodovil ligada ao canal, o que gerou desavenças. Em 19 de abril, o apresentador foi demitido. “Edir Macedo me processou por difamação, mas ganhei. Ele recorreu e vou ganhar de novo, a não ser que o processo caia nas mãos de um juiz comprado. Quero mandar um recado para esse senhor”, criticava Clodovil em entrevista a Luciana Gimenez na RedeTV! em setembro de 2002.

“Sr. Edir Macedo, vou responder pela minha vida diante de Deus e o senhor também. Eu só quero ver como o senhor vai se comportar por ter vendido o nome de Deus em benefício próprio. Nem que passasse fome trabalharia na Record. Minha forma de encarar Deus é diferente da deles. Não tenho uma misericórdia fingida. Vender religião com uma proposta comercial por trás, em nome de Deus, é o que eles fazem”, criticava, de forma incisiva.

Anos depois, Clodovil falou sobre sua saída da emissora em entrevista a Xuxa Meneghel: “Fui mandado embora da Rede Mulher porque a Igreja Universal comprou a emissora, achou que eu não era conveniente pro comportamento da igreja e me mandou embora no mesmo dia. Mas, claro, mostrou todos os programas que estavam gravados, né? Porque aí era questão de dinheiro e isso é uma outra história…”

Gravação de piloto no SBT

Pouco depois, em maio de 1999, Clodovil chegou a gravar o piloto de um programa no SBT. A emissora pretendia criar o TeleShow, semelhante ao Vídeo Show, da Globo, mostrando os bastidores da casa com apresentação de Márcia Golschmidt, Otávio Mesquita, Marcelo Augusto e Sonia Abrão. A ideia, porém, não foi para a frente.

“O quadro do Clodovil será um dos principais. Ele já pensou em alguns sofás vermelhos para cenário, onde vai fazer suas entrevistas”, afirmou Sonia Abrão ao Estadão, à época.

Segundo a Folha, ele teria exigido um camarim separado dos outros apresentadores durante uma gravação.

Em 2001, Clodovil esteve entre os principais nomes pedidos pelo público para participar da 2ª edição da Casa dos Artistas no SBT, mas não chegou a participar do reality.

‘Passeio’ pela Globo

Em entrevista ao Estadão, em 2003, Clodovil falou sobre a emissora: “A grande verdade é que todo artista quer trabalhar na Globo. Pensei bem e concluí que o meu talento é meu título de nobreza e eu sou eu em qualquer lugar.”

Anos antes, em agosto de 1999, Clodovil deu um “passeio” pela rede Globo e participou de diversos programas da casa, apesar de não ter sido contratado. Para o Zorra Total, gravou o quadro Rosto a Rosto, exibido em 14 de agosto, no qual era entrevistado por Alberto Roberto, clássico personagem de Chico Anysio. Ele ainda participou do quadro Fernandinho e Ofélia, estrelado por Lucio Mauro e Cláudia Rodrigues, que foi ao ar em 4 de setembro.

Não foi a primeira vez que Chico e Clô se encontraram na TV. Onze anos antes, em 1988, ele participou de esquetes do Chico Anysio Show, quando foi ‘entrevistado’ pela personagem Neide Taubaté.

No Domingão do Faustão que foi ao ar em 8 de agosto, conversou ao vivo com o apresentador durante quase uma hora.

Segundo a edição da Istoé Gente de 21 de fevereiro de 2000, os dois apresentadores eram amigos. “Há um ano, ele [Faustão] soube que Clodovil enfrentava uma fase financeira difícil e não hesitou. Mandou imediatamente um buquê de flores ao estilista, algumas notas graúdas presas por um grampo de ouro, que, somadas, chegavam a R$ 40 mil, e um cartão escrito à mão: ‘Não é dinheiro. É um presente de um amigo.'”

Anos depois, Clodovil ainda fez uma participação na novela O Clone, exibida entre 2001 e 2002, em que aparecia com seu cachorrinho no colo durante a inauguração de uma boate na trama.

Frente e Verso: mais um retorno de Clodovil à CNT

Em março de 2000, a CNT / Gazeta pretendia contar com o apresentador, conforme afirmava Silvio Alimari, criador do programa Mulheres e superintendente-geral da Gazeta: “Queremos o Clodovil conosco. As negociações com ele estão bastante adiantadas.”

No mesmo ano, Clodovil ainda chegou a apresentar um prêmio ao lado de Max Fivelinha no VMB da MTV.

A expectativa era de que seu programa estreasse ainda em dezembro, mas foi adiado para janeiro de 2001, quando foi ao ar o Frente e Verso, exibidos às terças e quartas-feiras, às 22h. A convidada de seu primeiro programa foi Vera Loyola com sua cadela, Pepezinha.

Questionado se sentia falta de estar em uma grande emissora, Clodovil era contraditório: “Não tenho saudade de nada. Para que serve estar em uma emissora com uma audiência enorme se ninguém está interessado no que eu estou dizendo? É claro que eu queria estar em uma emissora maior. Mas não me chamam. Outro dia fui ao Domingão do Faustão e dei um ibope de mais de 40 pontos. Ainda assim, ninguém me chamou para voltar”, complementava.

Mulheres

Em 1º de maio de 2001, Clodovil passou a apresentar o Mulheres, da TV Gazeta, ao lado de Cristina Rocha, com quem apresentou o programa até fevereiro de 2002. No início de setembro de 2002, foi demitido da emissora, que, à ocasião, dispensou mais da metade de seus artistas.

Dias depois, Clodovil foi cotado para apresentar o Bom Dia Mulher na RedeTV!. Porém, antes de a possibilidade se concretizar, participou do Falando Francamente e, em entrevista a Sonia Abrão, insinuou que não queria dividir a apresentação do programa com Solange Frazão e Solange Couto.

Irritada com as declarações, a direção da RedeTV! encerrou as negociações, que já contava até com um pré-contrato assinado com o apresentador. Elas foram retomadas posteriormente, e, um ano depois, as coisas foram diferentes.

A Casa É Sua e a chegada de Ofrásia

Cerca de um ano depois, em novembro de 2003, o apresentador fechou contrato com o canal, substituindo Leonor Corrêa, irmã de Faustão, no A Casa É Sua. “O público está cansado daquela porcaria que se tornou a TV à tarde. A programação vespertina estava cheirando mal, só explorando a violência, crimes, escândalos. Não venham me dizer que os programas mostram a realidade. Toda casa tem esgoto e privada, mas também tem sala, dormitório, living e jardim. Mas o que a gente enfatiza é o esgoto. É gente que não vê a beleza, por isso que as pessoas aceitaram bem meu programa”, afirmava à época.

Entre os quadros do programa estavam o Hora das Flores, em que oferecia um arranjo de flores a uma personalidade, o Moda & Estilo, o Fuxico na Cozinha e o De Frente com o Espelho. Foi no A Casa É Sua que Clodovil passou a conviver com sua fiel escudeira Ofrásia (Vida Vlatt).

Em seus primeiros momentos no canal, o apresentador continuava ferino, como sempre. “É um entra e sai nesse estúdio, parece a Rua Direita” e “Gente, eles fazem cara de retardado, é a APAE aqui?” foram algumas das frases ditas por ele durante as gravações.

“Me perguntaram se eu já não tinha loucos demais na emissora. O que eu espero é que o Clodovil lute por audiência. Admitiremos qualquer posicionamento dele, desde que ele demonstre garra ao trabalho”, afirmava o então vice-presidente da RedeTV!, Marcelo Carvalho.

Na RedeTV!, Clodovil ficou marcado por uma briga com os integrantes do programa Pânico, por quem se dizia perseguido.

Em 29 de março de 2004, outro fato inusitado: após se atrapalhar com uma tesoura e fazer um corte profundo em seu dedo durante o programa ao vivo, Clodovil sumiu de cena durante uma hora para ir até um hospital, levar três pontos e, em seguida, retornar elegantemente ao ar.

Em 14 de janeiro de 2005, Clodovil foi demitido por meio de um fax enviado pela direção da emissora. Desta vez, ele havia chamado a apresentadora Luisa Mell, à época namorada de Amilcare Dallevo Jr., presidente da emissora, de “Rita Cadillac do futuro”.

À época, o comentário não chegou a ir ao ar, já que seu programa era pré-gravado.

Em 2008, Clodovil disse ter saudades do período que passou na emissora: “Foi quase um ano de alegria. Eu ia com alegria pra televisão, uma vontade de chegar logo na emissora. Fui posto pra fora de lá por uma amante de uma das pessoas de lá, fazer o quê?”

Por Excelência, o último programa de Clodovil

Em 2007, já como deputado federal, Clodovil apresentou seu último programa na TV, o Por Excelência.

Após sofrer um AVC, porém, acabou se afastando das gravações e teve seu contrato rescindido pela emissora, “tendo em vista o período em que o apresentador absteve-se de gravar o programa”.

“Seu impedimento permanente, por mais de um mês e meio, causado pela enfermidade a qual foi acometido, importou na rescisão contratual”, informou comunicado divulgado pela TVJB, à época.

As imitações de Clodovil na TV

Por conta de sua personalidade forte, era comum ver humoristas imitando o jeito de Clodovil. Durante sua participação no Domingão do Faustão, em 1999, o apresentador falou sobre o tema. “Primeiro, pra ser imitado, é preciso que a gente exista. Um Zé Mané qualquer por aí não será imitado, ninguém nem sabe que ele existe. Me sinto reverenciado toda vez que os artistas me imitam, ou melhor, tentam me imitar”.

E prosseguiu: “Toda pessoa que faz uma caricatura, faz com tintas fortes. É preciso que seja assim, porque, se não, não tem graça. Se fosse idêntico… Mas queria que vocês soubessem que tenho um lema de vida: exijo que as pessoas riam comigo, mas que não riam de mim.”

Porém, nem sempre tudo foram flores. Clodovil já teve divergências com humoristas que o imitavam ao longo da vida, como Wellington Muniz, o Ceará, do Pânico, e Agildo Ribeiro, que criou o personagem Clô Clô em Planeta dos Homens.

Clodovil chegou a entrar na Justiça após Agildo aparecer interpretando o personagem em um comercial de TV, em novembro de 1981. No ano seguinte, em 23 de maio, o Fantástico promoveu um encontro para fazer as pazes entre os dois.

“Não me dou com o personagem, a caricatura do Clodovil, que é uma coisa bem triste, né? Mas me dou com o Agildo. Engraçado é você, o outro [imitação] é triste”, afirmou o estilista ao comediante, à época.

Diversos outros nomes também chegaram a imitar Clodovil na TV, como Tom Cavalcante, Zé Américo, Pedro Manso e Diego Varejon.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz