O cantor e músico acompanhado por sua banda.

Prince está de volta em grande estilo. Seus shows nos EUA estão sendo aclamados como os melhores do ano. Na quarta-feira ele tocou no ginásio dos Los Angeles Lakers. Lotado, 25 mil pessoas. O príncipe do pop está de volta, fez as pazes com uma grande gravadora (Sony), colocou para trás toda sua loucura e seus devaneios e está botando para quebrar em sua nova turnê, que serve para lançar seu álbum Musicology.

Prince, o garoto prodígio de Minnessota, um virtuose em qualquer instrumento na juventude, amadureceu, estudou a Bíblia, casou e agora apenas compõe, oferece espetáculos históricos, para delícia de seus fãs.

Se em L.A. ele arrebentou, em Santo Antônio, na abertura da turnê, deixou seus críticos – quase todos presentes – boquiabertos. Prince iniciou essa série de ultraperformances no começo do ano, no concerto anual do Hall of Fame do Rock and Roll. Era o prenúncio do que viria por aí. Para quem gosta de música de qualidade, aproveite o novo disco. Quem pode ir aos EUA, essa será a última vez que ele oferece shows, segundo o prõprio Prince. Imperdível.

Ele mesmo define Musicology como sem fronteiras e nem formatos. É um retorno para a arte e para a magnificência da música. É sobre isso que o álbum fala. O primeiro single do disco é a faixa-título do álbum que foi lançado no dia 20 de abril. A volta aos palcos de Prince foi marcada por sua apresentação no 46.º Grammy Awards ao lado da diva Beyoncé. Multiinstrumentista, produtor musical, cantor, compositor, vencedor de Oscar como compositor, vencedor de vários Grammy?s, Prince já vendeu mais de 100 milhões de álbuns e imprime esse ano sua marca da “Rock And Roll Hall of Fame”. O artista cujo nome já foi um símbolo impossível de ser pronunciado chega com este Musicology provando que ele é excêntrico e genial.