As fotografias em preto e branco de um pai beijando seu filho na Paraíba, em 2013, e da mãe que ri com suas crianças em um momento descontraído no Quilombo São Raimundo em Alcântara, no Maranhão, em 2009, são dois exemplares do olhar sensível e atento do fotojornalista carioca João Roberto Ripper – ou JR Ripper, fundador do Programa Imagens do Povo e grande homenageado do Prêmio Brasil Fotografia 2014, que contemplou, ainda, Sonia Guggisberg, Gilvan Barreto, Marcos Muniz, Paula Almozara e Vinicius Assencio. Uma exposição com as obras de todos os premiados que é inaugurada nesta quinta-feira, 15, às 15h e às 20hs, no Espaço Cultural Porto Seguro, em São Paulo.

A edição de 2014 da premiação teve como jurados o artista Cildo Oliveira, o fotógrafo Walter Firmo, a antropóloga Georgia Quintas, a curadora e jornalista Leonor Amarante e a pesquisadora e professora Simonetta Persichetti, colaboradora do jornal O Estado de S.Paulo.

Dedicado à produção contemporânea, o prêmio concedeu bolsas para que Marcos Muniz, Paula Almozara e Vinicius Assencio realizassem seus projetos. O primeiro documentou grupo religioso da cidade de Primavera do Leste, em Mato Grosso. Já Paula desenvolvei o trabalho À Margem e Assencio investigou imagens relacionadas à recorrente prática de se atear fogo sobre as lavouras do interior de São Paulo.

Na categoria Ensaios, ainda, Sonia Guggisberg criou Samarina, obra na qual a artista utilizou as demolições como metáfora, e Gilvan Barreto concebeu a série Moscouzinho.