Quando lançou o projeto de seu novo DVD, VIVA, antes mesmo de divulgar o que seria, ele disse: “você será contagiado”. E foi dessa forma que Luan Santana estreou, no sábado (7), Dia da Independência, o show de uma turnê que, ironicamente, pode ser considerada a marca da independência de um cantor que trouxe um projeto audacioso e, acima de tudo, digno de muita coragem. Aos 28 anos, Luan se torna cada vez mais um dos maiores, se não o maior, artistas da atualidade.

O DVD, que foi lançado há menos de 20 dias, foi gravado em Salvador, na Bahia. Como mostramos aqui, VIVA é um projeto grande, que marcou não só a carreira de Luan Santana, como também uma nova fase da música brasileira de modo geral, já que os artistas têm seguido um caminho diferente do que foi escolhido por ele, que deixou de ser ícone teen e hoje conversa com vários públicos, para eternizar seus quase 12 anos de história: ao invés de algo mais intimista, como tem sido utilizado, Luan foi longe, muito longe.

+Leia também: Regina Casé será protagonista da próxima novela das 21h

Como presente pela coragem, Luan lançou seu novo DVD com uma das músicas atingindo níveis que nem mesmo ele imaginava. Quando a Bad Bater, que faz parte das 12 inéditas registradas, assim que lançada colocou o cantor em posições que ainda tinha conquistado, como música mais tocada nas rádios FM do país e, antes do lançamento do material audiovisual, que saiu pelo Globoplay, se firmou em primeiro lugar no Spotify.

Foto: Divulgação/Jon Ricciardo Costa.
Foto: Divulgação/Jon Ricciardo Costa.

O novo show foi lançado no KM de Vantagens Hall, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, e a Tribuna do Paraná, que já é uma das maiores parceiras dele, mais uma vez, marcou presença, porque Luan tem data para trazer o show a Curitiba. Por ser uma estrutura muito tecnológica e que exigiria certa logística para percorrer o Brasil, o cantor adaptou o que foi gravado para a realidade da estrada, mas disse, com exclusividade, que não foi fácil pensar no cenário da nova tour. “Foi um grande desafio, na verdade. Porque o VIVA é muito grande, o show que a gente fez em Salvador tem dimensões muito grandes, é muito alto, muito largo”.

Luan comentou que, para manter a ideia da estrutura tecnológica, mas que, ao mesmo tempo, conversa com a questão do afeto, teve que buscar uma alternativa. “Foi bem complicado adaptar o que nós gravamos para levar para a estrada. Mas vimos como alternativa fazer o cenário como se fosse dentro da cúpula que tem no DVD. Estamos acertando alguns detalhes, esse show foi o primeiro, então até pegar o tranco demora alguns”, explica ele, reforçando que gostou do resultado. Além da cúpula, que é a parte interna do cenário, o palco móvel que aproxima ainda mais o cantor do público foi mantido.

Foto: Divulgação/Jon Ricciardo Costa.
Foto: Divulgação/Jon Ricciardo Costa.

Gravita em estilo próprio

VIVA é o sexto projeto audiovisual de Luan e não só marca uma nova fase de sua carreira como também deixa evidente algo que há muito tempo não existia em nosso país, desde o começo dos anos 2000, quando Sandy & Junior faziam enorme sucesso com o POP nacional: Luan Santana hoje gravita entre os artistas que continuam ativos, não só por seu público fiel, mas também (e principalmente) pelo seu jeito de fazer música: ele não se prende ao gênero que o lançou, o sertanejo, e faz o seu próprio estilo.

+Viu essa? Em meio a turnê histórica com Sandy, Junior Lima quebra o dedinho do pé

O que se percebe, ao analisar a carreira, é que, ao longo destes 12 anos, Luan acabou construindo seu próprio estilo musical, que conversa com muita coisa do que vemos sendo feito. “Eu acho que sim, mas isso vai muito das inspirações que a gente tem no momento. Escuto muita coisa, assisto muita coisa, me baseio em muitos temas para chegar num consenso para um projeto”.

Luan avalia que mudar faz parte do ser humano, mas, mais do que isso, é importante inovar. “Essas influências, essas inspirações, fazem com que cada projeto meu tenha uma cara diferente. Acho que isso é muito importante, muito especial, mas sempre falando claro de amor, relacionamento, que é algo que eu sempre fiz e sempre vou fazer”, defende. Veja a entrevista completa:

Show em Curitiba

Durante quase duas horas, o novo show reúne parte do repertório gravado no DVD, que mescla músicas novas e antigos hits. Momento interessante da apresentação é quando Luan fez uma viagem no tempo cantando não só os seus sucessos, como também homenageia grandes nomes da nossa música como Zezé Di Camargo & Luciano e Fagner, o que só reforça a ideia de que não existe mais um só estilo musical para ele.

Com a nova estrutura, Luan já tem data para chegar a Curitiba: no dia 12 de outubro, na Live, numa noite que também vai ter apresentação de Anitta. “É show novo, galera, em um feriado especial por ser Dia de Nossa Senhora Aparecida. Espero todo mundo”, fecha o cantor com o convite. Os ingressos são vendidos pelo Disk-Ingressos e variam entre R$ 80 (meia-entrada) e R$ 290 (inteira), de acordo com o setor escolhido.

Foto: Divulgação/Jon Ricciardo Costa.
Foto: Divulgação/Jon Ricciardo Costa.

Conheça a suíte presidencial em Curitiba, onde já ficaram hospedados Roberto Carlos e Elton John