Criada e organizada por Guilherme Whitaker, a Mostra do Filme Livre, que começa nesta quarta na cidade, chega à 11.ª edição ampliando seu território. Até aqui, ela ocorria somente em São Paulo e Rio, mas este ano atinge também Brasília. Na verdade, começou no Rio, prossegue atualmente na Capital Federal e vai se encerrar em Sampa, no dia 22. O objetivo é traçar um amplo panorama da produção cinematográfica brasileira independente na atualidade. Ousadia e criatividade andam juntas na programação.

Em três semanas, o paulistano que se liga em novas tendências poderá assistir a 230 filmes de curta, média e longa-metragem. O festival possui cinco curadores. Eles selecionaram 150 filmes entre os centenas que se inscreveram. A estes se somaram outros 50 títulos, que foram convidados. Os curadores são um dublê de críticos e realizadores, como Christian Caselli, que tem um olho especial para a produção trash, ou Chico Serra, que fez a seleção de filmes do homenageado deste ano.

Quem viu o belo “Eu Me Lembro”, de Edgard Navarro, pode ter se encantado com o Amarcord do cineasta baiano, mas o filme, sem deixar de ser transgressor, mostra um Navarro mais palatável (e até elegante). O novo Navarro, que será exibido em presença do autor, encerrando a programação, é “O Homem Que Não Dormia”. Tem mais a cara do diretor com o pé na contracultura. Parece, e só parece, mais anárquico e até mal-acabado. Na verdade, é produto de grande elaboração estética, pois Navarro é um pensador (da vida e do cinema). Você já pode ir se preparando para o encontro com ele, dia 22. Será enriquecedor.

O festival deve rolar em São Paulo no CCBB e na Matilha Cultural (o encerramento). Os filmes vêm de todo o País, em todos os formatos e gêneros. Não são aquilo que se chama de filmes de ‘mercado’, mas, com certeza, querem ser vistos e discutidos – e ocupam um nicho desse mercado, pois há um público (alternativo) interessado em vê-los. Proporcionalmente, o Ceará é o Estado mais contemplado. Inscreveram-se 21 filmes; foram selecionados 11, incluindo um da Alumbramento, do coletivo Pretti/Parenti, “No Lugar Errado”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mostra do Filme Livre – CCBB (Rua Álvares Penteado, 112). Tel. (011) 3113-3651. 3ª a dom., 9 h/ 21 h. Grátis. Até 22/4. Programação: www.mostradofilmelivre.com