James Dean sempre foi um rebelde. Viveu rápido e morreu jovem – demais. Na última terça-feira (30) completou-se 59 anos da morte do ator, que ficou imortalizado em filmes como Juventude transviada (1955) e Vidas amargas (1954). O olhar triste, o temperamento difícil e a jaqueta vermelha se transformaram em ícones da juventude dos anos 50 e, por consequência, do rock and roll.

Elvis Presley era fã de James Dean – e sabia todas as falas de Jimmy em Juventude transviada. Jim Morrisson, Morrissey e Madonna também. Mesmo tendo vivido somente 24 anos, o ator criou em torno de si um espectro poucas vezes visto no cinema. O acidente que tirou a vida de Dean aconteceu no auge da carreira, pouco depois de filmar Assim Caminha a Humanidade (1956), que tinha no elenco outras duas importantes figuras da época: Rock Hudson e Elizabeth Taylor.

 O sentimento de perda se alastra até os dias atuais, quando o nome de Dean é citado em músicas de gente que nasceu muito depois de sua morte. Mas acima de tudo, ele ainda é referência em atuação teatral, presença de palco e, acima de tudo, beleza. Todas as décadas produtoras esperam encontrar alguém como ele, porém, o resultado é sempre negativo.

Amores e dores

A vida amorosa de Dean sempre foi um mistério. Há quem diga que o ator era homossexual e há quem diga que ele apenas usava a libido como carta no baralho hollywoodiano. Liz Taylor dizia que Jimmy era, antes de tudo, uma criança sozinha, reflexo da morte da mãe aos 8 anos. Uma história dá conta de que – durante uma aula poucos dias após o falecimento da mãe – James Dean chorava copiosamente. Quando professora perguntou-lhe o porquê chorava, ele foi direto: quero a minha mãe.

A lembrança e a falta da mãe seriam sentimentos que o perseguiriam até o último instante. Mildred Dean impregnou no filho a arte ao dar a ele o nome de James Byron, uma referência a outro rebelde, o poeta britânico Lorde Byron. E Jimmy seria tão ávido em desfrutar os prazeres da vida como o inglês.

Divulgação
O acidente que tirou a vida do ator ainda é um mistério sem solução.

Paraná Online no Google Plus

Paraná Online no Facebook