O último filme de Mel Gibson, “A Paixão de Cristo”, foi qualificado de anti-semita pelos membros da Associação Judia Anti-Difamação. Segundo a associação, Gibson não deixa dúvidas sobre suas intenções. Ao retratar a paixão de Cristo, atribui aos judeus a responsabilidade pela crucificação de Jesus.

Abraham Foxman, diretor da organização, e o rabino Gary Bretton-Granatoor, seu consultor para relacionamento com outras confissões religiosas, lamentaram a “maneira dolorosa como o filme mostra os judeus, sempre apontados como culpados pela morte de Cristo”.

Foxman e Bretton, que representam uma entidade criada na década de 90 para combater qualquer manifestação de anti-semitismo nos Estados Unidos, consideraram que Gibson fez um filme com potencial para alimentar sentimentos anti-semitas. Eles fizeram estas declarações depois de assistir ao filme numa sessão especial promovida por Gibson para entidades religiosas em Orlando, Flórida. O filme entrará em cartaz nos cinemas americanos em fevereiro, especificamente na Quarta-Feira de Cinzas.