O guitarrista, cantor e compositor Thomas Pappon integrou duas bandas que os brasileiros ouviram muito pouco, mas que amaram muito: Fellini e The Gilbertos. A primeira, dos anos 80, foi menos invisível: influenciou barbaramente grupos posteriores, sendo citada até como referência pelo totem Chico Science. Mas a segunda, The Gilbertos, formada por ele mesmo e a mulher, Karla Pappon, em Londres, no início dos anos 1990, ninguém nunca ouviu ao vivo. Pelo menos no Brasil.

Pois bem: sem aviso prévio, eis que o duo show na pauliceia. Será hoje, às 21h, no Container Music & Arts. Pappon tem como reforços o baixista Akira van der S (que já foi conhecido como Akira Tsukimoto, que mantinha a banda indie dos anos 1980 Akira S e as Garotas Que Erraram), o tecladista Astronauta Pinguim (Minimoog, Moog Prodigy, órgão e piano eletrônico) e o baterista Felipe Maia.

The Gilbertos tornou-se admirado com Eurosambas 1992-1998, disco que saiu em 1999 e que continua sendo vendido em São Paulo. Paulistano de ascendência alemã, o guitarrista vive em Londres desde o início dos anos 1990. Ali, dedicou-se a fazer um disco no estúdio doméstico em sua casa. O resultado foram os Eurosambas.

Segundo contou, na época, The Gilbertos era como uma continuação do Fellini, com uso de tecnologia low fi, tecladinhos de terceira, sonoridade meio vintage. Aquilo que ele gestou, na época, nunca deixou de se espalhar como vírus pelos ouvidos da cidade natal, São Paulo. E é dia de ouvir ao vivo. Em tempo: o nome do grupo não é homenagem a João Gilberto, apenas um nome de efeito – adequado para um som que se rotula como post-MPB. As informações são do Jornal da Tarde.

The Gilbertos – Hoje, às 21h. Container Music & Arts (Rua Bela Cintra, 483, Jardins). R$ 25. www.containermusicart.com.br