Emmanuel Pinheiro/Estado de Minas

Walter Minhoca (de verde) é um dos cotados para reforçar o Tricolor.

De volta às compras. Restando cinqüenta dias para o término das inscrições – elas se encerram na véspera da 26.ª rodada -, o Paraná Clube busca pelo menos dois reforços, visando a permanência nas primeiras colocações e um fôlego extra para tentar alcançar o Botafogo, líder do Brasileirão. O meio-de-campo e a lateral-esquerda são as posições carentes, nas avaliações da comissão técnica em conjunto com a cúpula do futebol.

Após treze rodadas, ficou ainda mais evidente a falta de um meia-armador no grupo. E um velho conhecido da torcida paranista continua sendo a primeira opção para arrumar o setor de criação. Marquinhos, aos 25 anos, hoje no Santa Cruz, já manteve contatos com o clube, mas o diretor de futebol Durval Lara Ribeiro acredita que a negociação dificilmente evoluirá. O Atlético Mineiro entrou na disputa e, mesmo com a queda de Zetti – que indicou o jogador -, se mostra disposto a contratar o meia.

?Não entramos em leilão?, frisou Vavá Ribeiro. Como Marquinhos não respondeu aos recentes contatos feitos pelo Tricolor, a diretoria já trabalha com outros nomes. Um deles, indicado pelo próprio Gilson Kleina. Walter Minhoca, 25 anos, do Ipatinga (ex-clube do treinador) seria a bola da vez. O jogador teve passagem apagada pelo Flamengo, mas voltou a jogar bem no interior de Minas. Os dirigentes paranistas, porém, evitam confirmar o interesse e dizem que o caso está sendo analisado junto com a comissão técnica.

Já em relação à lateral-esquerda, o clube busca um jogador para brigar com Márcio Careca pela posição. ?Temos só o Márcio para este setor. Só que não está fácil encontrar um jogador de qualidade?, admitiu Vavá. No atual elenco, Digão é o reserva imediato para a ala. Recentemente promovido das categorias de base, ele não teve bom desempenho no Estadual. ?Estamos procurando qualificar o grupo. Estamos só a três pontos da liderança e nosso objetivo é a ponta da tabela?, afirmou Durval Ribeiro.

A busca por reforços só foi intensificada agora, com o enxugamento do grupo. Xaves e Gérson foram negociados com um grupo de empresários –  e estão se transferindo para o Atlético-MG -, abrindo vagas para a chegada de novos jogadores. ?Não podíamos encher demasiadamente a prateleira. Com esses ajustes, vamos tentar oferecer um grupo ainda mais competitivo para o Kleina?, finalizou Vavá.

Elenco tem bala na agulha

A vitória foi sofrida, mas o técnico Gilson Kleina gostou do que viu. Na sua avaliação, o Paraná Clube tem muito a evoluir e com alguns ajustes tem bala na agulha para se firmar nas primeiras colocações do Brasileirão. O treinador teve pouco tempo pra trabalhar o time pro jogo contra o Palmeiras. A partir de agora, com maiores subsídios, tentará introduzir sua filosofia de trabalho, mesmo que gradualmente.

?Com um jogo a cada três dias, não há tempo para treinar. Mas, esse grupo já se conhece muito bem e tem um padrão de jogo definido?, comentou Kleina. ?Com calma, iremos melhorar alguns aspectos.? O treinador sabe que a característica dos jogadores de frente induz o Paraná a jogar em velocidade, às vezes, com uma pressa desnecessária. ?Em certos momentos, faltou colocar a bola no chão e tirar proveito da nossa vantagem, no placar e no número de jogadores?, avaliou Gilson.

Curiosamente, os momentos de maior dificuldade para o Tricolor ocorreram após a expulsão do zagueiro Dininho, do Palmeiras, aos 4 minutos do 2.º tempo. Até os 25 minutos, o adversário criou as principais oportunidades, encurralando o Paraná. ?Somente com a entrada do Renan melhoramos o nosso toque de bola, ocupamos melhor os espaços e conseguimos criar situações de contragolpe?, reconheceu Kleina.

Uma estratégia que também deverá ser melhorada. Nas últimas partidas – isso já havia ocorrido frente ao Flamengo -, o Tricolor teve espaços para o contra-ataque, mas as finalizações foram imperfeitas. Kleina não antecipou qual formação irá utilizar frente ao Internacional, amanhã (às 21h45, no Beira-Rio). Mas, a tendência é que Vandinho seja mantido no ataque. Algumas mudanças ocorrerão.

O lateral-direito Alex, com uma contratura muscular, dá lugar a Léo Matos. Na zaga, diante da ausência de Neguete – suspenso pelo terceiro cartão amarelo – o treinador vai escalar Toninho. Daniel Marques continua fora, lesionado, e João Paulo também está no departamento médico. O goleiro Flávio, devido à entorse de tornozelo que o tirou do jogo frente ao Palmeiras, continua fora. ?O Marcos Leandro foi muito bem e deu segurança à zaga. O jogo mostrou que contamos com dois goleiros do mesmo nível?, avalizou Kleina.