enkontra.com
Fechar busca

De Letra

Atletiba do impasse

Treta entre diretoria do Athletico e do Coritiba ameaça o Atletiba

Impasse em torno da torcida única deflagrou uma série de desdobramentos que envolvem, ainda, o Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná e o Ministério Público

  • Por Cristian Toledo
Cúpula da dupla Atletiba está em descompasso. Foto: Arquivo

É sempre possível fazer com que o futebol paranaense fique mais zoneado. A terça-feira, 29 de janeiro de 2019, entra para a história como uma das datas mais tristes que se tem notícia, com uma guerra de bastidores que ameaçou o clássico Atletiba deata quarta-feira (30), às 21h30, na Arena da Baixada. Diante do silêncio do Athletico, ainda não se sabe de que forma vai acontecer o maior clássico do Estado. Caberá a Federação Paranaense de Futebol (FPF) decidir se será com portões fechados, se o Joaquim Américo será interditado ou se o Coxa vencerá por WO.

+ Leia mais: Clássico pode ser com portões fechados

O despacho do Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJDPR) saiu no final da tarde desta terça-feira (29), quando o presidente da entidade, Adelson Batista de Souza, decretou que o Athletico teria até às 21h para colocar os ingressos à venda para a torcida do Coritiba. Como não houve resposta do Furacão, ficou definido que a Federação Paranaense de Futebol tem até às 13h30 desta quarta para tomar uma providência sobre o caso para que o TJDPR possa fazer as devidas deliberações.

Foi o ápice de um dia todo tumultuado, que começou com a decisão liminar do TJDPR que obrigava o Rubro-Negro a vender ingressos, ceder um espaço delimitado na Baixada e permitir que os torcedores do Coritiba entrassem com a camisa do time no estádio. Foi um pedido do Coxa, que teve o apoio da Procuradoria do tribunal, que já tinha obtido uma decisão semelhante na estreia do Athletico, contra o Cascavel.

+ Veja ainda: Atletiba está parado após indefinição sobre ingressos

Mas desta vez houve reação. Em entrevista à Rádio Banda B, na noite da última segunda-feira, o presidente do Coritiba, Samir Namur, já tinha negado a proposta do Ministério Público do Paraná e que foi abraçada pelo Athletico desde o ano passado. “O nosso posicionamento é contrário à questão de torcida única e também à ausência de um setor específico para o adversário. É uma violência absurda impedir o torcedor adversário de ingressar no estádio com a camisa dele”, disse o presidente.

Enquanto o Athletico seguia em silêncio, os órgãos de segurança estavam perdidos. Não sabiam qual seria a definição do clássico, não sabiam se haveria duas torcidas, não sabiam qual seria a movimentação no entorno do estádio. A intenção era de fazer um esquema semelhante aos clássicos passados, mas nos bastidores se buscava um esclarecimento. Só que ninguém podia ajudar.

+ Também na Tribuna:  Coritiba ganha na Justiça e Atletiba terá duas torcidas

Ao meio-dia, venceu o primeiro prazo dado ao Furacão. Nada aconteceu. Pelo contrário: através de seu site oficial, a diretoria atleticana divulgou uma nota, mas ela era assinada pelo MP-PR, e não pelo clube. No texto, havia críticas à ação do TJDPR e defesa expressa do projeto de “torcida humana”, que passou a ser uma política rubro-negra. No final do texto, o Ministério Público também disse que abriria uma investigação sobre possíveis desvios de “princípios de impessoalidade, moralidade e independência, dentre outros”.

A resposta veio rápida. Adelson Batista de Souza intimou o presidente do Athletico, Luiz Sallim Emed, para dar explicações e pediu à Federação que se posicionasse. Deixou abertas as possibilidades: jogo com portões fechados, interdição da Arena e remarcação do jogo ou WO favorável ao Coritiba. Dentro do Tribunal, havia a tendência de se decidir pelo clássico sem torcedores.

E justamente eles são os grandes prejudicados. Por conta de uma batalha de bastidores com mais interesses comerciais do que “humanos” – para usar o termo da moda -, atleticanos e coxas-brancas passaram o dia sem sequer saber se o clássico iria ocorrer, quanto mais se poderiam ir ao estádio. E chegam ao dia da partida mais tradicional do futebol paranaense sem garantia de nada. Não há campeonato que resista à tanta confusão.

+ Confira os jogos e a classificação do Campeonato Paranaense

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

113 Comentários em "Treta entre diretoria do Athletico e do Coritiba ameaça o Atletiba"


COXA 1909
COXA 1909
6 meses 24 dias atrás

evasivo como todas as cadelinhas.. contra fatos não há argumentos

cleverson ramos
cleverson ramos
6 meses 24 dias atrás

lojinha alias kkkkkkkkkkkkkk

cleverson ramos
cleverson ramos
6 meses 24 dias atrás

quem entende de ilusão são vcs né a próxima maquete fica pronta quando, quando o samir resolver fechar o loginha que tem nas depedências do pinga mijo.

cleverson ramos
cleverson ramos
6 meses 24 dias atrás

o seu carro arrecada alguma coisa não de da despesas seu burro já a arena não.

COXA 1909
COXA 1909
6 meses 24 dias atrás

falo o especialista em estadios!! vai se iludindo cadelinha..

cleverson ramos
cleverson ramos
6 meses 24 dias atrás

divida da arena dividida em partes é mole pagar, pq tinha que ser justamente a ARENA NÃO É LIMPA SEM ESGOTO ATÉ EM TÃO TODAS AS DIVIDAS PAGAS, já a porcard@ não tiveram a mesma sorte devendo até o fundo não tem de onde tirar e cada dia que passa uma divida nova surge

1 2 3 11
wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas