Campeão mundial em 2006 e, para muitos, o principal jogador da seleção italiana naquela Copa, Andrea Pirlo continua sendo o maestro da equipe europeia. No entanto, o meia de 35 anos não concorda com quem diz que a Itália é “Pirlo-dependente”.

O jogador acredita que a Itália deve confiar na força do grupo. “Para se fazer um bom torneio, é preciso ter a contribuição de todos”, afirmou, em entrevista coletiva nesta quarta-feira, em Mangaratiba (RJ). Os objetivos que o meia traça para a equipe não são nada modestos. “Nossa meta tem que ser o título. Nosso time é muito competitivo e daremos o nosso melhor”, disse Pirlo.

O maestro exaltou o primeiro adversário da Itália na Copa, a seleção inglesa treinada por Roy Hodgson. “Sabemos que a Inglaterra é um time muito bom, que melhorou bastante. Eles têm jogadores jovens, muito velozes”, analisou.

O meia italiano, no entanto, não se intimida com o adversário da estreia. “Nós sabemos como enfrentá-los. As duas seleções sempre fizeram grandes jogos, e nós teremos nossas chances”. A Itália eliminou nos pênaltis a seleção inglesa na última Eurocopa, mas perdeu por 2 a 1 o último jogo entre as duas equipes.

Pirlo ressalta as mudanças táticas feitas pela a Itália na preparação para o torneio. “Testamos esta nova formação com um meia de contenção e outros dois livres para criar”, disse. “Gostamos da escalação e achamos que pode dar bons resultados”, completou.

Depois da Copa do mundo, o meia diz que irá se aposentar da seleção italiana. Porém, os torcedores da Juventus ainda poderão desfrutar de seu futebol por mais tempo. A atual campeã italiana anunciou nesta quarta a extensão do contrato de Pirlo por mais 2 anos, até junho de 2016. “A magia continua”, anunciou a equipe italiana em seu site oficial.