Enquanto os seus clubes estão sendo bem agressivos no mercado de transferências, contratando alguns dos principais destaques do futebol brasileiro, a seleção da China está novamente sem técnico, após o francês Alain Perrin ser demitido depois de ficar quase dois ano no cargo.

A Associação Chinesa de Futebol disse em um comunicado nesta sexta-feira que o francês deixou o comando da seleção e que a busca por um substituto já foi iniciada. A nota oficial elogiou Perrin por seu trabalho e por trazer nova vida a uma equipe que tem apresentado resultados abaixo do esperado.

No entanto, a entidade disse que a decisão de demiti-lo foi tomada depois de considerar as necessidades da equipe nas Eliminatórias Asiáticas para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, e o “desenvolvimento futuro” da equipe.

A China ocupa o terceiro lugar no seu grupo nas Eliminatórias da Copa do Mundo, atrás do Catar e de Hong Kong, contra quem apenas empatou duas vezes. O próximo duelo da China será em 24 de março, em casa, diante das Maldivas, a quem derrotou por 3 a 0, em setembro, como visitante.

Perrin foi contratado em fevereiro de 2014, para substituir o espanhol Jose Antonio Camacho, que foi demitido após uma derrota por 5 a 1 para a Tailândia. Perrin já havia treinado clubes como o Olympique de Marselha, o Portsmouth, o Saint-Étienne e o Lyon, que levou ao sétimo título consecutivo do Campeonato Francês, na temporada 2007/2008.

Sob o comando de Perrin, a China venceu todos os seus três jogos da fase de grupos na Copa da Ásia de 2015, se classificando pela primeira em 11 anos para o mata-mata, depois sendo eliminada pela campeã Austrália.

Embora o futebol seja muito popular na China, a seleção nacional se classificou apenas para uma Copa do Mundo – o torneio de 2002, na Coreia do Sul e no Japão, onde perdeu os três jogos na fase de grupos sem marcar sequer um gol. A equipe ocupa a 82ª colocação no ranking da Fifa.