Foto: Valquir Aureliano

O trabalho do psicólogo Gilberto Gaertner (ao lado de Vandinho) tem sido fundamental na recuperação do Tricolor dentro de campo.

O técnico Saulo de Freitas persegue um objetivo traçado no momento de sua chegada à Vila Capanema: um aproveitamento de 50%. Uma projeção, na visão do treinador, suficiente para a permanência do Paraná Clube na primeira divisão nacional. Após seis jogos à frente do time, tem um rendimento de 38,89%. ?Com duas vitórias vamos superar a marca planejada e com isso estaremos livres do rebaixamento?, assegurou o treinador.

Passando por Santos e Vasco, o Tricolor fecharia a ?era? Saulo de Freitas neste Brasileiro com um rendimento de 54,17%. ?Já poderíamos estar numa situação mais cômoda?, lamenta Saulo, numa referência aos jogos fora de casa, contra Atlético Mineiro e Botafogo. Isso sem contar a partida que marcou sua estréia, frente ao Flamengo, onde até pênalti o Paraná desperdiçou. ?O que me anima é ver como o grupo reagiu, mesmo diante das dificuldades?, analisou.

A nova comissão técnica intensificou o ritmo dos treinos, dando ênfase à recuperação física do grupo. ?Não dá para negar. Havia jogador muito mal condicionado. Num dos primeiros coletivos, com 15 minutos já tinha gente pedindo água?, admitiu. Não dá para negar que o trabalho desenvolvido fora das quatro linhas também teve efeito. O psicólogo Gilberto Gaertner atuou na recuperação da auto-estima e da confiança dos atletas e segue fazendo um acompanhamento diário de todo o elenco.

?Vejo jogadores com muita vontade de dar a volta por cima. E, isso é muito importante nessa reta final?, destacou Gaertner. O psicólogo está atuando ao lado da comissão técnica nessa semana diferenciada. Saulo de Freitas, no fundo, não gostou da folga na tabela, entendendo que esse descanso poderia gerar uma perda de foco. Mas reconhece que o tempo especial para treinos físicos e técnicos pode refletir num crescimento natural do time nas duas últimas rodadas.

?Por isso, o trabalho do Gilberto, nesse período, é muito importante?, disse Saulo. ?Cada detalhe pesa e passada esta semana, voltamos a focar diretamente o próximo adversário?. Depois de uma semana em ritmo de intertemporada, Saulo volta a dar ênfase aos treinos táticos a partir de segunda-feira. Nos últimos dias, nem quis comentar sobre o time que pretende utilizar frente ao Peixe. ?É muito cedo. Mas o Paraná tem hoje um padrão definido e vem fazendo, na média, bons jogos. Não vou mexer nesse perfil nessas últimas rodadas?, encerrou o Tigre da Vila.

Solução é vencer ou vencer

A vitória do Palmeiras, na última quarta-feira, pôs mais tempero no jogo do próximo dia 25 de novembro. O resultado do time de Caio Júnior (1×0, sobre o Fluminense) esquentou a disputa por vagas na Libertadores, com quatro clubes brigando praticamente em igualdade de condições pelas três vagas restantes. A rigor, quem vencer os dois jogos – entre Santos, Flamengo, Palmeiras e Cruzeiro – se garante.

É praticamente o que acontece na outra extremidade da tabela. Na luta contra a degola, Corinthians, Goiás e Paraná têm consciência de que para se garantir terão que atingir 100% de aproveitamento nesta reta final. ?Pode dar com menos, mas daí é preciso torcer por combinações?, disse o volante Jumar. ?Só sei que será um jogo duríssimo, mas temos que impor o nosso ritmo, mesmo reconhecendo a qualidade do adversário?, analisou o volante.

Recuperado no problema que o tirou do jogo contra o Botafogo – ainda no primeiro tempo, passou mal devido ao clima abafado do Rio de Janeiro – Jumar está treinando normalmente e espera que o time recupere o equilíbrio de jornadas anteriores. Coincidência ou não, com a sua saída o Paraná perdeu poder de marcação. ?Quando o time está ajustado, a saída de uma peça pode atrapalhar. Mas estou pronto novamente e acredito na força desse grupo para a gente buscar essa vitória?, disse Jumar.