Divulgação
?Desejo mais que ninguém que comece logo a Copa. Assim, as pessoas vão parar de falar besteira.

Königstein – O ?Presidente? está cansado de falar. Diz que não suporta mais ouvir besteiras a seu respeito. E, pior do que ouvir, ter de responder às insinuações e às mentiras que ele atribui à mídia. Bom, a verdade agora está com Ronaldo, o ?presidente da seleção brasileira?. Chegou a hora de contrariar a todos e provar que ainda é o Fenômeno.

?Desejo mais que ninguém que comece logo a Copa. Assim, as pessoas vão parar de falar besteira. Vamos falar só de futebol?, disse Ronaldo, ontem, a pelo menos 300 jornalistas brasileiros e estrangeiros. Ronaldo quer entrar no campo o mais rápido possível. E falar menos. ?No fundo, todos nós gostamos é mesmo de jogar. Não estamos vendo a hora de começarem os jogos e acabar com as polêmicas que não levam a nada.? E emendou, definitivo: ?Sou muito feliz para deixar que coisas pequenas me atrapalhem?.

A felicidade tem relação direta com o fato de o jogador chegar quase inteiro na estréia da Copa. Amanhã, contra a Croácia, Ronaldo poderá medir, enfim, a quantas andam seu futebol e físico. ?Agora vamos aguardar o primeiro jogo para ver como tudo vai acontecer. Me sinto bem, como no início da Copa de 2002. Naquela Copa, eu estava há quase dois anos sem jogar e a minha estréia era uma incógnita. Agora é diferente.?

Diferente, mas nem tanto. Em 2002, Ronaldo foi submetido a tratamento especial elaborado pelo médico da seleção, José Luís Runco, e um grupo de especialistas. Levou quase dois meses até voltar a jogar no máximo 70 minutos nas primeiras partidas do mundial.

Nesta Copa, Ronaldo não recebeu um tratamento especial. Passou 40 dias no Real Madrid recuperando-se de uma contratura muscular na coxa direita. Apresentou-se à seleção em condições físicas bem abaixo do ideal.

Por mais que o preparador Moraci Sant?Anna e sua equipe tenham se desdobrado nos últimos 20 dias, fica difícil imaginar como o Fenômeno reagirá amanhã, em Berlim. Mas o ?Presidente? garante estar pronto para jogar.

E chega de conversa.