Paris – “Amistoso nada.” A frase, dita com rosto fechado, resume como o lateral-esquerdo Roberto Carlos está encarando o jogo entre Brasil e França, em comemoração aos 100 anos da Fifa. O jogador do Real Madrid ainda não esqueceu a derrota na final da Copa de 1998 e, embora enfatize que a seleção brasileira foi campeã do mundo quatro anos depois, não esconde que vencer os “Bleus” na quinta-feira terá um “gostinho especial”.

Roberto Carlos chegou ontem ao hotel onde a seleção ficará hospedada em Paris. O grupo se reúne oficialmente hoje, mas ele resolveu antecipar a “apresentação”, assim como o meia Júlio Baptista, do Sevilha, e o atacante Ronaldinho Gaúcho, do Barcelona – que passou rapidamente pelo hotel e foi jantar com um grupo de amigos. Além de Belletti, que, aliás, está na capital francesa desde sábado.

O lateral é um dos que consideram o jogo entre Brasil e França o grande clássico do futebol mundial na atualidade. “Quem iria imaginar que isso iria acontecer. Sempre se falava na Itália, Inglaterra, mas hoje brasileiros e franceses têm grandes times, são os dois últimos campeões mundiais. É uma partida que deixa as pessoas ansiosas”, disse.

Esses motivos tornam, para Roberto Carlos, uma vitória sobre a França superimportante. Mas o lateral destaca outro aspecto que considera fundamental para o Brasil. “Se vencermos a França e conseguirmos um bom resultado contra a seleção da Catalunha, ganharemos ainda mais moral para pegar a Argentina e o Chile pelas Eliminatórias. E se vencermos estes dois adversários, estaremos classificados para a Copa de 2006. Matematicamente não, é claro, mas aí ninguém vai nos tirar a vaga”, acredita.

Hoje à tarde (17 horas de Paris), a seleção brasileira faz seu primeiro treino no Stade de France, local do jogo de quinta-feira.

Edmilson quer ganhar vaga na Seleção

AE

Paris – Com o tricampeonato francês pelo Olympique de Lyon praticamente assegurado, o zagueiro Edmilson pode obter nova conquista quinta-feira, na partida entre Brasil e França: se jogar bem, ganhará a condição de titular nos jogos contra Argentina e Chile em junho, pelas Eliminatórias. A garantia foi dada pelo técnico Carlos Alberto Parreira no dia em que anunciou a lista dos jogadores convocados para os amistosos contra França e seleção da Catalunha e para as duas partidas eliminatórias. O treinador avisou que se Edmilson e seu companheiro de Lyon, Juninho Pernambucano, se saírem bem contra os Bleus, se tornarão titulares do seu time.

Edmilson, no entanto, não encara o jogo contra os franceses como uma “prova dos nove”. “Particularmente, não entro nesse clima de pressão por causa da possibilidade de ser titular ou não. É evidente que quero jogar, mas o fato de ser convocado já foi muito bom”, disse.

Ele participou da partida anterior da seleção – vitória por 4 a 1 sobre a Hungria – e reconhece que o amistoso de quinta-feira é uma ótima oportunidade para treinar o time para enfrentar os argentinos. “Esse vai ser o jogo mais importante para nós.”