Lima vai ter que ajudar
na marcação no meio.

O Coritiba entra na reta final de preparação para o clássico de domingo contra o Paraná com uma nova ?receita?. Ao contrário do normal, que é esconder a escalação até onde pode, o técnico Paulo Bonamigo garante que a surpresa será outra.

Com a equipe montada, o treinador tenta motivar ao máximo o time, pois segundo ele a chave para a vitória será a entrega total dos jogadores. Mas claro que não é só isso.

“Não tem surpresa. A única surpresa possível é a nossa atuação”, afirma Bonamigo, sem deixar transparecer muita coisa. A explicação que vem depois é mais clara. “Nossa maior virtude é a dedicação, a busca incessante dos resultados. E é isso que temos que mostrar contra o Paraná. Eu sempre digo que, quando estamos mobilizados e preocupados apenas com o jogo, somos um adversário dificílimo de ser batido”, diz o técnico alviverde.

E foi o lado psicológico que Bonamigo trabalhou nesses dias de intertemporada, que começou na segunda – ontem, o elenco trocou a Estância Betânia pelo hotel Vernon. “Foi importante essa reunião. Nós nos isolamos para buscar a mobilização para os dezessete jogos finais do brasileiro. A gente trabalhou bastante e conversou também”, confirma o técnico.

E para isso ele quer uma equipe mobilizada, mas também com surpresas táticas. Não é por outro motivo que ele realizou vários treinos importantes pela manhã (quando há menos jornalistas) e pediu para que os cinegrafistas não captassem imagens das jogadas ensaiadas. Delas, não há nada de novo, a não ser a substituição dos cobradores, inevitável após a saída de Tcheco.

No posicionamento, a idéia é movimentação máxima. Souza e Lima foram orientados a revezar-se na armação e na frente. “Para mim muda um pouco, porque eu tenho também que ajudar na marcação quando o Paraná sai para o jogo. Mas acho que não terei problemas”, garante Souza. Na marcação, haverá acompanhamento individual a Caio e a Marquinhos, para que seja evitada a preparação de jogadas para Renaldo.