A 115ª edição da Maratona de Boston, disputada nesta segunda-feira, nos Estados Unidos, entrou para a história do atletismo. O queniano Geoffrey Mutai venceu a prova e ainda quebrou o recorde mundial, ao estabelecer a incrível marca de 2h03min02, superando a antiga marca do etíope Haile Gebrselassie, que tinha feito 2h03min59 em 2008, em Berlim.

Até então, Geoffrey Mutai tinha com melhor marca na carreira o tempo de 2h04min55, conseguido no ano passado, em Roterdã, na Holanda. E seu resultado mais expressivo tinha sido a segunda colocação na Maratona de Berlim, também em 2010. Mas, com a sua performance nesta segunda-feira em Boston, o queniano de 29 anos entrou para a história.

O nível da Maratona de Boston foi realmente muito forte. Tanto que, assim como Mutai, o segundo colocado da prova também abaixou o antigo recorde mundial de Gebrselassie. O também queniano Moses Mosop cruzou a linha de chegada em 2h03min06 e conquistou a medalha de prata – em terceiro lugar ficou o norte-americano Ryan Hall (2h04min58).

Depois de uma disputa acirrada com Mosop, Mutai garantiu o 19º título queniano na Maratona de Boston nos últimos 21 anos. Pela vitória, ele ganhou um prêmio de US$ 150 mil. Além disso, levou um bônus de US$ 50 mil pelo recorde mundial e outro de US$ 25 mil pelo recorde da prova – esta última marca pertencia a Robert Cheruiyot, também do Quênia.

Na prova feminina de Boston, a vitória também foi do Quênia. Caroline Kilel venceu a maratona com o tempo de 2h22min36, mas ficou longe do recorde mundial da britânica Paula Radcliffe (2h15min25). A medalha de prata foi para a norte-americana Desiree Davila (2h22min38), enquanto a queniana Sharon Cherop terminou na terceira posição (2h22min42).