Muito longe do acesso e com risco mínimo de queda à Série C, o Paraná Clube usará as oito rodadas restantes da Série B do Campeonato Brasileiro para avaliar melhor o seu elenco já vislumbrando uma temporada mais vitoriosa em 2016. O técnico Fernando Miguel, que faz parte da comissão permanente, afirmou que o Tricolor, na reta final da Segundona, vai buscar chegar o quanto antes no número ideal para não ser rebaixado à Série C.

“Será um tempo que vou usar como reflexão. Pegar esse período para corrigir os erros, melhorar a nossa forma de jogar. Como eu disse desde quando eu assumi, que o nosso único intuito primeiro é fazer os pontos que livre o clube de qualquer chance de rebaixamento. Em segundo vamos trabalhar para terminar o campeonato da forma mais digna possível”, enfatizou o treinador.

A distância do Paraná para o Ceará, primeiro time da zona de rebaixamento, é de doze pontos. Porém, no complemento da rodada, se o time cearense vencer seu compromisso contra o Botafogo, fora de casa, a diferença pode cair para nove pontos. Mesmo assim, a probabilidade de queda do Tricolor é muito pequena. Segundo o matemático Tristão Garcia, do site Infobola, o time paranista tem apenas 1% de chances de disputar a Terceirona na próxima temporada.

Assim, sem mais nada a aspirar dentro da competição nacional, o Paraná terá que lidar, nesta reta da Série B, com uma cobrança maior do torcedor paranista. Após o empate em 1×1 diante do Oeste, terça-feira, na Vila Capanema, o time tricolor deixou o gramado vaiado e aos gritos de “vergonha” vindos das arquibancadas.

Lado esquerdo

Se as recentes atuações do Paraná Clube não vêm agradando, pelo menos dois jogadores estão se destacando com a camisa paranista. O lateral-esquerdo Fernandes e o meia Rafael Carioca, que trocam constantemente de posição durante os jogos, fortaleceram o lado esquerdo da equipe tricolor e as boas atuações da dupla renderam elogios de Fernando Miguel. “É um ponto forte da nossa equipe, é um ponto legal. Temos que destacar também que estamos passando a atacar pelos dois lados, já que antes nós focávamos muito o jogo pelo lado esquerdo. Estamos conseguindo atacar bem pelos dois lados e vamos melhorar a cada dia mais”, pontuou Fernando Miguel.

Estádio

A ideia da moderna arena dividida entre Coritiba e Paraná agora chegou à Câmara dos Vereadores. Os dois clubes poderiam receber cerca de R$ 400 milhões, relativos ao potencial construtivo, e, assim, comprar a área do Pinheirão e levantar o novo estádio. Pelo menos essa é a proposta do vereador Jorge Bernardi (PDT).

Conselheiro do Tricolor, Bernardi já havia proposto, em fevereiro, que o município concedesse à dupla o mesmo direito ao uso de potencial construtivo oferecido ao Atlético para a Copa do Mundo de 2014. O assunto havia esfriado, mas voltou com tudo nos últimos dias, após o desejo revelado pelos dirigentes do Coxa de construir uma nova praça esportiva. “O clima voltou a ser favorável para voltarmos a debater este projeto. Agora vou pegar mais apoios”, afirmou Bernardi.

Uma das alternativas para que o acordo se concretizasse, segundo o vereador, seria a cessão, para o município, do Couto Pereira e da Vila Capanema. “O uso dessas áreas pelo município ainda teria de ser discutido, porque o Atlético ficou com seu patrimônio”, ressalva Bernardi. (Julio Filho)

Paraná Online no Facebook

Paraná Online no Facebook