Antes do jogo com o Cuiabá, o Paraná Clube e seus torcedores fizeram um protesto contra o resultado do julgamento da morte do torcedor tricolor Diego Gonciero, ocorrida em 2012. Na madrugada do sábado (14), três torcedores do Athletico foram absolvidos das acusações pelo crime no Tribunal do Júri de Curitiba.

O nome do paranista foi citado pelo sistema de alto-falante da Vila Capanema, junto com o de José Teledzinski, outro paranista que faleceu. E, durante o minuto de silêncio antes do apito inicial, os integrantes da torcida organizada Fúria Independente, da qual Gonciero fazia parte, permaneceram abraçados. Ao final do minuto de silêncio, os torcedores presentes ao estádio aplaudiram.

+ Leia mais: Paraná Clube perde mais dois jogadores para o Departamento Médico

Relembre o caso

Em 1º de julho de 2012, Diego Henrique Gaab Gonciero participava de um churrasco na sede da Torcida Fúria Independente, do Paraná, da qual fazia parte há três anos. O evento era uma confraternização com a Torcida Jovem, do Sport Recife, que estava em Curitiba para enfrentar o Coritiba. Por volta das 13 horas, dois carros se aproximaram do local e cerca de 15 tiros foram disparados na direção da sede da Fúria. Um dos disparos atingiu o jovem de 16 anos na cabeça, que não resistiu e morreu na mesma data.

+ Confira a classificação completa da Série B!

Após quase dois anos de investigações, a Polícia Civil concluiu o inquérito apontando três acusados pelo assassinato: o ex-presidente e advogado da Torcida Os Fanáticos, Juliano Rodrigues, o ex-dirigente da torcida Fábio Marques, e Gilson Tavares Teles. O motivo do crime seria a rixa entre as torcidas organizadas, tanto de Atlético e Paraná, como entre a Gangue da Ilha e a Torcida Jovem, ambas do Sport.