A espera foi longa. A impressão que dava é que às 20h do dia 16 de abril de 2018 não chegavam nunca. Quando os 11 titulares escalados pelo técnico Rogério Micale adentraram ao gramado do gigante Morumbi, arrepiou. Passou um filme pela cabeça de cada paranista. Após dez anos de tortura e sofrimento no segundo escalão do futebol nacional, o Paraná Clube estava, enfim, na elite novamente. O adversário não era mais o Oeste, ou o CRB, ou então o Brasil de Pelotas – com todo o respeito, é claro. Pela frente, o Paraná Clube tinha o São Paulo.

Como era de se imaginar, o Tricolor de Micale teve dificuldades de bate-pronto. O primeiro tempo foi uma agonia para o torcedor paranista. Com três estreias – o zagueiro Jesiel, o meia Caio Henrique e o atacante Silvinho -, o Paraná ficou em uma retranca absoluta. Foram raras as vezes em que a equipe conseguiu trocar passes no setor ofensivo. Com isso, o São Paulo ganhava cada vez mais espaço.

Veja como foi o jogo entre São Paulo e Paraná Clube!

As jogadas de bola parada do time da casa deixavam a torcida paranista aflita. No primeiro tempo, o São Paulo explorou bastante os levantamentos na área e, em um deles, o zagueiro Bruno Alves abriu o placar. Aos 36 minutos, Cueva levantou e o defensor desviou pro fundo da rede. Um balde de água fria na euforia e na ansiedade dos tricolores paranaenses. ‘Não dá pra tomar gol de bola parada. Foi um momento de desatenção‘, frisou o goleiro Richard na saída para o intervalo.

Mesmo com a falta de criatividade, o Paraná voltou para o segundo tempo com a mesma equipe. Porém, a postura foi diferente. Logo nos primeiros minutos, o estreante Silvinho, melhor em campo pela equipe Tricolor, partiu pra cima da defesa são-paulina e bateu forte. O goleiro Sidão foi obrigado a espalmar pela linha de fundo. O jogo ficou mais aberto e Micale apostou na estreia do atacante Léo Itaperuna e também no centroavante Thiago Santos para dar ainda mais volume no setor ofensivo.

Confira a tabela do Brasileirão!

O Paraná cresceu e aproveitou o espaço que o São Paulo dava. Entretanto, faltava qualidade no arremate e o empate acabou não vindo. O saldo acabou sendo negativo, mas, o Tricolor dominou o segundo tempo e mostrou que, com entrosamento e uma melhor pontaria, pode evoluir durante a competição. A expectativa fica também pela chegada de mais reforços para a sequência da temporada, já que o Brasileirão está apenas no início. Um deles é o atacante Carlos, do Atlético-MG, que, de acordo com o técnico Rogério Micale, está mais perto de um acerto.