Autor de dois dos últimos três gols do Paraná Clube, o meia-atacante Bruno Rodrigues desencantou na Série B. Titular do Tricolor desde a sétima rodada da competição, o jogador, que só ficou de fora de dois jogos deste então, vinha tendo boas atuações, mas não estava balançando as redes. Jejum que tardou para acabar, mas que aconteceu em um momento decisivo.

Contratado logo após ser um dos destaques do Athletico no Campeonato Paranaense, o atleta demorou um pouco para se firmar, mas depois que ganhou oportunidade, não saiu mais da equipe. Só que faltava desencantar e, enfim, marcar um gol com a camisa paranista. Algo que demorou 20 jogos para acontecer. E de uma forma até que não era tão esperada.

No clássico contra o Coritiba, o Paraná vencia por 1×0 quando teve um pênalti assinalado a seu favor. Na ordem dos cobradores, Jenison era o primeiro e Vitinho o segundo. Bruno Rodrigues era apenas o terceiro na fila, mas, mesmo assim, pediu a bola, fez o gol e saiu eufórico comemorando.

Depois, decretou a vitória por 1×0 sobre o Operário, na última terça-feira (8), em Ponta Grossa. Uma sequência que aliviou o jogador, que vinha se cobrando bastante por isso. Até mesmo o técnico Matheus Costa precisou passar confiança a ele por conta desse jejum.

“Acredito que seja uma situação natural de os jogadores ofensivos se cobrarem em fazer gols. Eu sempre procuro os deixar muito tranquilos. O Jenison ficou uma sequência sem gols, ficou preocupado e passei credibilidade e confiança. O Bruno Rodrigues nessa sequência jogando e pouco saindo, isso estava carregando ele (não marcar gols), mas sabemos a importância para o rendimento deles quando fazem os gols”, afirmou o treinador.

+ Confira a classificação completa da Série B!

Revelado pelo Furacão, Bruno Rodrigues foi emprestado pro Joinville e pro Doxa, do Chipre, em 2017 e 2018, respectivamente. Mas nunca tinha entrado em campo tantas vezes como na atual temporada, que ainda tem mais 11 partidas pela frente. Embora não viesse marcando gols, ele vem atravessando uma fase que ainda não tinha tido na carreira.

“Meus companheiros até perguntavam se eu não ia fazer o gol, mas Deus sabe a hora certa e é um momento que estou vivendo no Paraná que não vou esquecer nunca. Ele (Matheus Costa) me dá toda a liberdade. Na semana passada ele mostrou um vídeo meu com erros e acertos. Estou aprendendo aqui e estou muito feliz, quero dar continuidade e evoluir cada vez mais”, apontou o atleta, de 22 anos.

Leia mais:

+ Após vitória, jogadores ressaltam força do elenco e do técnico Matheus Costa
+ Tricolor perde CT Ninho da Gralha para ex-parceiro
+ Jogos fora de casa são o trunfo do Paraná para conseguir o acesso