Foto: Valquir Aureliano/O Estado

Marcos Leandro será o goleiro titular do Paraná Clube amanhã.

Mais do que a retomada da quinta colocação do Brasileiro, o empate frente ao Cruzeiro devolveu ao Paraná Clube um ingrediente decisivo para a reta final da competição: confiança. O grupo mostrou poder de reação, deixando para trás os recentes insucessos, quando a capacidade de decisão do grupo voltou a ser questionada por críticos e torcedores. ?Faltam seis decisões e estamos na briga?, frisou o técnico Caio Júnior.

O jogo de amanhã, às 18h10, frente ao Palmeiras, é o segundo da série ?Copa do Mundo?, estabelecida pela comissão técnica. Por paradoxal que possa parecer, mesmo ciente de que os três pontos são imprescindíveis, Caio Júnior não quer usar o chavão ?vencer de qualquer maneira?. Acredita que bater nessa tecla só aumenta a pressão, sem um ganho prático. ?Para atingirmos nossa meta, precisamos vencer. Mas, isso virá a partir da organização, da eficiência. Vencer de qualquer maneira, não existe?.

O treinador lembra que o Cruzeiro adotou esse discurso ao longo da semana. Com a bola rolando, o Paraná dominou o jogo – em especial no segundo tempo – e deixou a vitória escapar nos últimos minutos. Citou como exemplo, ainda, o jogo frente ao Flamengo, onde o tricolor não conseguiu furar a defesa adversária e acabou surpreendido nos contragolpes. ?Temos seis finais pela frente, onde cada ponto é importante?, frisou o treinador.

Meta é encostar no Grêmio e no Santos

A rodada deste fim de semana, por exemplo, pode fazer com que as probabilidades do Paraná aumentem significativamente nessa briga pela Libertadores. Isso, é claro, a partir de uma vitória sobre o Palmeiras.

O tricolor entrará em campo sabendo dos resultados de seus mais diretos concorrentes, à exceção do Botafogo, que no mesmo horário enfrenta o Fluminense. A meta é encostar outra vez em Santos e Grêmio, que têm clássicos frente a São Paulo e Internacional pela frente.

?Além disso, o Vasco enfrenta o Cruzeiro, em Belo Horizonte?, destacou Caio Júnior. ?Seria muito bom chegar em São Januário com alguma vantagem?, projeta o técnico paranista. Na próxima quarta-feira, o tricolor vai ao Rio de Janeiro para encarar o Vasco da Gama.

?Agora, qualquer erro pode ser fatal.

Por isso, é preciso jogar com segurança, mas impondo o nosso ritmo, tentando o gol o quanto antes?, disse Caio.

?O Palmeiras vai tentar jogar fechado, no nosso erro. Então, não podemos errar?, sentenciou. Além de preocupação com o cansaço da equipe, o treinador cobra maior precisão nas finalizações. O balanço do último jogo mostrou que além dos dois gols, o Paraná perdeu outras oito chances reais para balançar as redes do Cruzeiro.

Marcos Leandro e Peter entram no Tricolor

O goleiro Marcos Leandro e o ala-direito Peter são as novidades já confirmadas do Paraná Clube para o jogo de amanhã. Marcos Leandro entra na vaga de Flávio, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e Peter – apesar da atuação elogiada de Alex -volta à condição de titular.

Isso, porém, não significa que o time está escalado.

Caio Júnior vai primeiro analisar a formação do adversário para só então definir a estratégia de jogo. Até porque, sem contar com Neguete (que sofreu uma lesão no joelho esquerdo e foi vetado), o treinador volta a trabalhar com a idéia de armar o time com apenas dois zagueiros. Nesse caso, com o volante Pierre mais restrito ao sistema defensivo.

Porém, se optar pela manutenção dos três zagueiros, João Paulo é quem entra no time. Só que isso determinaria a saída de um dos volantes. Pelo bom desempenho no segundo tempo do jogo de quinta-feira, Sandro já está escalado no meio-de-campo tricolor. ?Ele é um meia de muita qualidade. A torcida tem que ser menos impaciente com ele?, frisou Caio Júnior. ?Frente ao Goiás, por exemplo, ele foi um dos melhores em campo?.

Arbitragem criticada

O assunto arbitragem ainda era um dos preferidos nos corredores da Vila Capanema, no dia seguinte ao empate com o Cruzeiro (2 a 2). Outra vez um árbitro ?de segundo escalão? errou contra o Paraná Clube em um lance capital.

O amazonense Washington José Alves de Souza não marcou pênalti claro a favor do tricolor, quando o lateral Leandro Silva ?meteu? a mão na bola.

O fato remeteu os paranistas ao passado, quando árbitros do Espírito Santo, de pouca expressão nacional, interferiram diretamente nos resultados dos jogos contra Fluminense (Édson Esperidião) e Grêmio (Wallace do Nascimento Valente).

?Só quero que não haja influência. É hora de decisão e tudo vai pesar na definição das vagas?, disse o técnico Caio Júnior. Em relação a Washington de Souza, o Paraná reclama ainda do lance do derradeiro empate, quando o Cruzeiro cobrou uma falta rapidamente sem aguardar o apito do árbitro.