Felipe Massa afirmou nesta quarta-feira que deverá ajudar a Williams a buscar patrocinadores para a temporada 2014, apesar de ter sido contratado sem apresentar vínculos com empresas, ao contrário do que tem acontecido nas negociações entre pilotos e equipes na Fórmula 1 nos últimos anos.

“Eles estão atrás de patrocinadores. Conheço muita gente, não apenas no Brasil. Se eu puder ajudá-los… Não fez parte da nossa conversa, mas quanto maior o investimento melhor é para o time”, afirmou o piloto brasileiro, ciente de que a equipe perderá boa parte de seu orçamento com a saída do venezuelano Pastor Maldonado ao fim do ano.

Maldonado havia levado à equipe o patrocínio da PDVSA, petroleira estatal da Venezuela. A Williams ainda não divulgou como fará para substituir os altos valores pagos pela empresa. Por causa das diversas mudanças técnicas nos carros, a temporada 2014 vai exigir maiores investimentos das equipes da F1.

Fora das discussões sobre o orçamento da Williams, Massa reiterou o orgulho por ter sido escolhido para liderar a equipe a partir do próximo ano. “Eles me procuraram e disseram que me queriam de qualquer maneira. É muito bom sentir-se desejado pela equipe”, declarou o brasileiro.

Satisfeito com sua condição de piloto “não pagante” (por não ter apresentado patrocínio para fechar o contrato), Massa surpreendeu ao comparar aqueles pilotos à prostitutas. “É uma palavra que eu não sei se eu devo dizer, porque é muito forte, mas é ‘prostituta’ mesmo. Não precisei ser prostituta e esse é o mais orgulho para mim. Não implorei para correr. Eu queria continuar, mas não precisei. Não vou pagar para correr”, destacou.