Milão – A Inter de Milão definiu ontem o que já estava  anunciado havia meses. Venceu o Siena por 2 a 1, fora de casa, e, graças à derrota por 2 a 1 da Roma para a Atalanta, conquistou, com cinco rodadas de antecedência, o 15.º título italiano de sua história – o segundo consecutivo, e o primeiro em campo desde 1989, já que o da temporada passada foi decidido no tribunal, depois que a Juventus teve o título cassado por causa do envolvimento no escândalo da manipulação de resultados.

A diferença entre as duas equipes voltou a ser de 16 pontos – 84 a 68 -, e a Roma já não pode mais alcançar a Inter nas cinco rodadas que restam para o fim do campeonato. Restou à equipe da capital o consolo de ter adiado a festa e quebrado a invencibilidade da Inter na última quarta-feira, com uma vitória por 3 a 1 em pleno Giuseppe Meazza, em Milão.

O herói da vitória de ontem foi o zagueiro Marco Materazzi, autor dos dois gols da equipe na partida. O homem que levou a cabeçada de Zidane na final da Copa do Mundo encerrou assim um ano inesquecível de sua carreira, em que foi campeão do mundo como titular e firmou-se como peça-chave da Inter.

Brazucas

Quatro brasileiros fazem parte do elenco campeão: o goleiro Júlio César, o lateral-direito Maicon, o lateral-esquerdo Maxwell e o atacante Adriano. Júlio César e Maicon foram titulares durante toda a temporada e fecham o campeonato em alta; Maxwell ficou machucado durante a maior parte da temporada. E Adriano alternou altos e baixos – ficou na reserva no início da temporada, teve chances e fez gols decisivos, mas acabou suspenso do jogo de ontem por ter simulado um pênalti na derrota para a Roma.