Pela primeira vez, a diretoria do Santos admitiu nesta quarta-feira acionar o Barcelona na Fifa para poder ter acesso aos contratos da transferência de Neymar. O clube quer descobrir se tem direito à parte do dinheiro pago ao pai do jogador, cerca de 40 milhões de euros, em acordo firmado ainda em 2011.

“O Santos quer ter acesso aos documentos com relação ao contrato das empresas de Neymar pai e o Barcelona para entender a que título foi pago ao Neymar pai os 40 milhões de euros. E se esse pagamento faz parte da transferência do jogador ou não”, afirmou Odílio Rodrigues, presidente em exercício do Santos.

O clube pretende acionar o Barcelona na Fifa se não tiver sucesso nas duas frentes que abriu na Justiça, em busca da revelação dos contratos. Nesta quarta, o Santos entrou com recurso no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), após ter recusada liminar sobre o caso na 3ª Vara Cível de Santos.

Odílio também vai atuar na Justiça espanhola. O clube contratou dois escritórios especializados em direito penal na Espanha para acompanhar os processos criminais contra o Barcelona naquele país.

O Santos está acionando a Justiça após esgotar as possibilidades de obter de forma amigável os documentos juntos ao pai de Neymar. “Esgotamos todos os meios de obter junto ao pai do atleta e ele sempre insistiu que não vai dar. Ele se recusou a entregar os documentos ao departamento jurídico do Santos”, destacou Odílio.

O dirigente frisou ainda que o clube nunca soube da negociação envolvendo o pai do jogador ocorrida há três anos. “O Santos nunca teve conhecimento de que o Neymar tinha assinado com o Barcelona em 2011.”

O clube está preocupado com os 40 milhões de euros que foram pagos pelo Barcelona à empresa N&N (de Neymar e Nadine, pais do jogador), após acordo firmado entre as duas partes naquele ano, como garantia da preferência do atacante em se transferir para o clube espanhol em 2014, quando acabava seu vínculo com o Santos.

Quando explodiu a polêmica da venda de Neymar, que já derrubou até o presidente do Barcelona, Sandro Rosell, a direção do Barça afirmou que o gasto do clube com a contratação foi de 57,1 milhões de euros (R$ 187,2 milhões), dos quais 40 milhões de euros (R$ 131,2 milhões) foram para a empresa N&N, que pertence ao pai de Neymar, e 17,1 milhões de euros (R$ 56 milhões) para o Santos dividir com a DIS, que era dona de parte dos direitos do jogador.

O Santos e os investidores questionam por que é que, mesmo donos da maior parte dos direitos econômicos do jogador, receberam quantia tão pequena dentro do custo total da contratação. Para isso, pedem acesso aos contratos firmados entre o Barcelona e os representantes de Neymar.