O técnico Gilson Kleina aproveitou o clima positivo causado pela estreia vitoriosa do Palmeiras na Copa Libertadores para justificar uma comparação feita por ele entre o time paulista e a seleção de Burkina Fasso. O treinador avaliou que a situação criou um mal-entendido com os torcedores, pois ele nunca colocou em dúvida a grandeza do seu atual clube.

“O torcedor está achando que estou me inspirando em uma equipe que não tem a tradição do Palmeiras. O Palmeiras é incomparável à Burkina Fasso. Quis dizer que o Palmeiras pode surpreender como o Porto, campeão (da Liga dos Campeões da Europa em 2004) com o mestre (o técnico José) Mourinho, e o Once Caldas (campeão da Libertadores de 2004). Foi isso. A situação é parecida, mas não se compara o tamanho e a tradição do Palmeiras, que é um gigante mundial”, disse.

A seleção de Burkina Fasso foi a principal surpresa da última edição da Copa Africana de Nações. Mesmo sem muita tradição, a equipe conquistou o vice-campeonato ao deixar para trás seleções que eram apontadas como candidatas ao título, como Gana, que foi eliminada nas semifinais.

O Palmeiras vive situação semelhante na Libertadores. Rebaixado para a Série B no ano passado, o time perdeu jogadores importantes, como o atacante Barcos, e não está entre os favoritos ao título, mesmo tendo disputado quatro finais, com um título, conquistado em 1999.

Apesar da desconfiança, o Palmeiras abriu a sua participação na Libertadores deste ano com vitória sobre o Sporting Cristal por 2 a 1, na última quinta-feira. Agora, a equipe se concentra no clássico com o Corinthians, que será disputado no domingo no Estádio do Pacaembu, válido pelo Campeonato Paulista.