A única falha cometida pelo sistema defensivo do Rubro-Negro custou caro. Ontem, no Palestra Itália, o time paranaense teve a boa sequência de sete jogos de invencibilidade quebrada ao ser derrotado por 1 a 0 pelo Palmeiras.

O resultado não pode ser considerado de todo ruim, já que a decisão da vaga para as quartas-de-final será decidida na próxima quarta-feira, na Arena, em Curitiba.

Mas poderia ter sido melhor. Os dois times se respeitaram muito e a marcação prevaleceu. O empate só não aconteceu graças a uma grande defesa de Marcos no final da partida.

O problema atleticano para a decisão da vaga estará no setor de criação. O meia Paulo Baier, cérebro da equipe, recebeu o 2.º cartão amarelo e foi expulso após uma jogada boba. Portanto, desfalcará o Furacão.

Jogo

A primeira chance de gol foi do Atlético, logo aos 5, numa cabeçada de Rhodolfo. Mas aos poucos o Palmeiras, que mantinha mais posse de bola, foi achando brechas na defensiva rubro-negra.

Aos 14, numa tabela bem feita, na qual Alan não acompanhou Robert, o centroavante entrou na área e chutou cruzado. Neto caiu atrasado e a bola morreu no fundo da rede.

Com apenas Javier Pepe isolado na frente, o Furacão não conseguiu chegar ao gol adversário tocando a bola. O jeito, então, foi pressionar o Palmeiras na bola parada, uma das armas do elenco atleticano. E nas cobranças de escanteio o time paranaense assustou.

Aos 28 minutos, Paulo Baier cobrou cinco escanteios em sequência e, por pouco, não aconteceu o empate. A partir daí, a partida permaneceu equilibrada, com a marcação predominando.

O time do Parque Antártica só chegou novamente no finalzinho do 1.º tempo, numa cabeçada de Robert. Na saída para o intervalo, os jogadores rubro-negros alertaram para a jogada do lado direito paulista, explorando as subidas de Márcio Azevedo.

Entretanto, também elogiaram a postura adotada em campo e ressaltaram que o jogo estava sendo muito pegado. “Jogo está difícil. Vamos procurar jogar mais no 2.º tempo. O jogo está aberto”, analisou Alan Bahia.

Na etapa complementar, a partida continuou com o mesmo panorama. Muita marcação e poucos lances de criatividade e finalização. Leandro Niehues fez duas substituições tentando deixar a sua equipe mais incisiva.

O Atlético conseguiu chegar mais à frente, no entanto não acertou arremate que pudesse levar dificuldade a Marcos. A única finalização até os 31 minutos foi um chute muito alto de Márcio Azevedo.

Aos 35, a grande chance rubro-negra. Paulo Baier cobrou falta, Rhodolfo desviou de cabeça e Marcos salvou a noite do Palmeiras.  Final de jogo e as esperanças de classificação do Atlético se voltam para o confronto em Curitiba. O grande problema rubro-negro para esse jogo será a ausência de Baier.