O zagueiro Edmilson reaparece hoje na zaga tricolor. O coletivo desta manhã – contra o time juvenil do Trieste – é o primeiro da intertemporada. O técnico Caio Júnior pretende testar variações táticas neste período de recesso do Brasileiro, mesmo reconhecendo que o 3-5-2 dificilmente deixará de ser a formação básica da sua equipe. Mas, o treinador quer seu time ajustado também para atuar com apenas dois zagueiros e hoje vai posicionar os titulares desta maneira, com Gustavo e Edmilson na defesa.

Titular do Tricolor nas primeiras rodadas do Brasileiro, Edmilson ?perdeu a posição? por conta de uma lesão muscular. Aliás, a primeira contusão do atleta de 28 anos. ?Muita gente nem acredita. Mas, até então, nunca tive nem problema muscular nem entorse de joelho ou tornozelo?, disse o jogador, animado com a volta aos treinamentos com bola. ?Ficar no departamento médico é horrível. Mas, o importante é que o time conseguiu uma seqüência de vitórias e está muito bem na competição?, lembrou.

O zagueiro sabe que não tem posição assegurada no time e por isso esta fase de preparação será decisiva. ?Não sou de me acomodar com a reserva. Não estaria sendo honesto com o clube se agisse assim. A briga vai ser boa, pois acho que o Paraná está muito bem servido de zagueiros?, analisou Edmilson, que atuou nas cinco primeiras rodadas e depois foi substituído por Neguete. O zagueiro sofreu lesão na coxa esquerda diante do Corinthians e não imaginava que ficaria tanto tempo fora do time.

?O importante é que agora estou 100%?, avisou. Edmilson admite que não rendeu tudo o que pode com a camisa tricolor. O zagueiro traz em seu currículo muitos gols em cobranças de faltas, mas ainda não deixou sua marca jogando pelo Paraná. O zagueiro lembra que no Goiás, há cinco anos, também demorou a encaixar a primeira ?bomba? de bola parada. ?Fiz o primeiro gol só na décima partida. Mas, depois, foram cinco gols em seqüência. Isso vem ao natural. Não adianta forçar, não?, finalizou.