O Clube Duque de Caxias venceu domingo as alemãs do Ahihorner e conquistou pela segunda vez o troféu de campeão mundial interclubes feminino de punhobol. Superiores durante todo o confronto, as brasileiras venceram confortavelmente por 4 sets a 0. Sábado, o Duque já havia vencido por 4 sets a 2.

Para o time brasileiro, o resultado tem um gosto especial, já que há três anos, na Alemanha, foi o Ahihorner quem comemorou sobre a equipe curitibana. “Com certeza foi especial, afinal já esperávamos este título desde 2006. Estava engasgado na nossa garganta”, disse a capitã Rejane.

Para a ala Flávia, de apenas 16 anos, o sentimento é diferente, já que faz pouco tempo que ela entrou para o time principal. “Não estou acreditando ainda. Em 2007, quando o Duque foi campeão aqui, eu era uma das criancinhas que entrou de mãos dadas com as jogadoras”, lembrou.

“A seleção brasileira ainda não venceu um mundial e nosso time já é bicampeão. A importância deste título é enorme”, afirmou o técnico Diogo Comin, que ressaltou a atuação da batedora Tatiane Schneider, a melhor atleta em campo.

A superioridade das donas da casa foi reconhecida pelas adversárias. “É difícil dizer, mas elas jogaram melhor. Tati estava impossível de ser parada”, apontou a atacante Marie. “Elas colocaram a pressão sobre nós, em todas as posições, em todos os momentos. Hoje elas mereceram”, completou a defensora Annika.